Novo Coronavírus

Saúde Ministério sugere calcular níveis de risco para afrouxar isolamento

Ministério sugere calcular níveis de risco para afrouxar isolamento

Diretriz serve para orientar estados e municípios e leva em conta capacidade do sistema hospitalar e aumento de casos, por exemplo

  • Saúde | Do R7

Nelson Teich ainda vai detalhar o plano

Nelson Teich ainda vai detalhar o plano

Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo - 6.5.2020

As diretrizes do Ministério da Saúde a estados e municípios para um eventual afrouxamento ou endurecimento de medidas de isolamento social, como forma de evitar o avanço rápido da covid-19, são baseadas em um sistema de pontos que vai apontar o nível de risco de determinada região.

O ministro da Saúde, Nelson Teich, apresentou nesta segunda-feira (11), de maneira parcial, a metodologia que poderá ser usada e ressaltou que são orientações.

"A responsabilidade dessa decisão cabe aos estados e municípios [...] Isso não é uma imposição do Ministério da Saúde, é apenas uma ferramenta que foi desenvolvida, baseada em estudos e iniciativas que já foram feitas pelo mundo".

A proposta de Teich é um modelo que vai considerar quatro grandes eixos, com 11 indicadores: capacidade instalada, cenário epidemiológico, velocidade de crescimento da pandemia e mobilidade urbana.

Cada item terá uma nota e, a partir dessa escala de ponto, é proposto um nível de distanciamento.

Os níveis de risco são: muito baixo, baixo, moderado, alto e muito alto. As medidas, são, respectivamente: distanciamento social seletivo 1, distanciamento social seletivo 2, distanciamento social ampliado 1, distanciamento social ampliado 2 e restrição máxima.

O ministro, porém, afirmou que esses níveis de distanciamento serão detalhados na quarta-feira (13). 

Teich se disse "surpreendido" pela declaração do presidente do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), Alberto Beltrame, que afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo, que no momento não há como discutir esse plano, devido ao aumento de casos.

"A argumentação que foi colocada é um pouco diferente do que foi colocado para mim na semana passada", afirmou Teich. 

Últimas