Mistura de energético com álcool pode causar derrame e até morte 

Estimulante pode esconder sintomas de bebedeira, alerta médica

Mistura de energético com álcool pode matar, diz médica

Mistura de energético com álcool pode matar, diz médica

Getty Images

Para aguentar o pique do Carnaval, é comum os jovens recorrerem aos energéticos, mas a mistura com bebidas alcóolicas é desaconselhada porque leva ao aumento da pressão arterial e pode causar palpitações, arritmias cardíacas, AVC (acidente vascular cerebral) e até morte súbita. Esse é o alerta da Socerj (Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro). 

A cardiologista Olga Ferreira de Souza, presidente da Socerj, explica que o energético mascara o efeito do álcool.

— Os energéticos escondem os sintomas de embriaguez, pois são estimulantes, contêm cafeína e taurina que mascaram os efeitos do álcool que ocorrem depois da fase inicial de euforia, como a sonolência e o relaxamento. Os energéticos permitem que a pessoa beba por mais tempo e em maior quantidade e, portanto, fica sujeita a embriaguez e todos os riscos que isso acarreta, como redução de reflexos, riscos de quedas e acidentes, dependência e até morte.

Principal causa de afastamento do trabalho, álcool leva à depressão e pode até matar

O I Levantamento Nacional sobre o Uso de Álcool, Tabaco e Outras Drogas entre universitários das 27 capitais brasileiras, feito pela USP (Universidade de São Paulo), mostrou que 74% dos universitários brasileiros relataram já ter consumido esta combinação pelo menos uma vez na vida. Outra pesquisa, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), diz que a cafeína presente nos energéticos potencializa o efeito maléfico do álcool no cérebro. 

Em seis anos, consumo de álcool cresce 20% no Brasil

Segundo o estudo, a cafeína acelera a morte de células cerebrais, causada principalmente pelo álcool, que pode levar ao envelhecimento precoce e a doenças como mal de Alzheimer e de Parkinson.

Um dos grandes perigos é o jovem ter algum problema cardíaco ainda não diagnosticado, que pode ser prejudicado com o consumo da mistura das bebidas.

— O jovem não faz habitualmente avaliação clínica e cardiológica que nos permita dizer se é saudável. O risco é enorme para aqueles que são portadores de doenças do coração, hipertensão arterial e arritmias e também para os que não sabem ter doenças.

A presidente da Socerj dá dicas de como manter-se hidratado e alimentado durante o consumo de álcool.

— Se for beber, que seja de forma moderada, pouca quantidade, evitando bebidas destiladas que possuem maior teor alcoólico. Hidratar-se periodicamente, durante o consumo de bebidas alcoólicas, também é importante, pois um dos efeitos do álcool é a desidratação. Além disso, sempre que beber esteja bem alimentado, nunca em jejum.