Boechat
Saúde Mulher que resgatou motorista em queda de avião tem doença rara

Mulher que resgatou motorista em queda de avião tem doença rara

Leiliane Rafael da Silva, 28 anos, mãe de três filhos, tem uma anomalia vascular cerebral e precisa de uma operação na rede pública de saúde

Leilane, de 28 anos, espera por cirurgia vascular cerebral na rede pública de saúde

Leilane, de 28 anos, espera por cirurgia vascular cerebral na rede pública de saúde

Reprodução Record TV

A mulher que foi filmada tentando resgatar o motorista da carreta que se envolveu na queda do helicóptero que vitimou o jornalista Ricardo Boechat e o piloto Ronaldo Quattrucci na segunda-feira (12), na rodovia Anhanguera, próximo a São Paulo, revelou em entrevista a Record TV que possui uma doença grave e rara.

Leiliane Rafael da Silva, 28 anos, mãe de três filhos, tem uma anomalia vascular cerebral que foi diagnosticada em novembro de 2018. A Malformação Arteriovenosa, também conhecida como MAV, é uma doença que afeta as conexões entre veias e artérias, sem a presença de um sistema capilar, e que atinge o sistema nervoso central.


Leiliane explica que inicialmente os médicos acharam que seu problema era um tumor inoperável. “Eu estava em casa com meus filhos quando me senti mal e procurei um hospital”, conta. Segundo ela, o médico afirmou que os sintomas eram por causa da amamentação —Leilane havia tido um filho havia quatro meses.

Veja também: Câmera de vigilância grava queda de helicóptero que levava Boechat

Na segunda tentativa de buscar ajuda, outro médico pediu para que Leilane ficasse internada e passasse por uma série de exames. Nesses exames foi diagnosticado um possível tumor. “A gente sente muito por ela que é jovem, mas pelo tamanho na tomografia do tumor é inoperável”, relembrou sobre a fala dos médicos ao marido.

No entanto, com exames mais sofisticados a MAV foi finalmente diagnosticada. De acordo com o Dr. Hélio Machado, do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, apesar de ser uma malformação e o paciente já nascer com esse prognóstico, a doença só manifesta na fase adulta, por volta dos 30 anos. “É possível identificar em crianças, mas é muito raro que isso aconteça”, explica.

Leiliane agora espera liberação para fazer uma cirurgia na rede pública de saúde.

Veja a reportagem completa no Balanço Geral:

    Access log