Novo Coronavírus

Saúde Nova variante do coronavírus achada no Japão tem 12 mutações

Nova variante do coronavírus achada no Japão tem 12 mutações

Governo japonês informou Ministério da Saúde brasileiro porque turistas haviam passado uma temporada na Amazônia

Ministério quer saber por onde viajantes passaram antes de embarcar para o Japão

Ministério quer saber por onde viajantes passaram antes de embarcar para o Japão

Reprodução/NIAID

O Ministério da Saúde brasileiro divulgou neste domingo (10) mais informações sobre a nova variante do coronavírus identificada no Japão em turistas que haviam chegado do Brasil.

Segundo a pasta, a nova cepa do SARS-CoV-2, vírus causador da covid-19, possui 12 mutações, incluindo a encontrada no Reino Unido e na África do Sul, que o torna mais transmissível.

Segundo o ministério, os quatro viajantes desembarcaram em Tóquio no dia 2 de janeiro. A infecção foi detectada no próprio aeroporto, onde eles ainda cumprem quarentena. Todos desenvolveram apenas sintomas leves da covid-19.

Autoridades sanitárias brasileiras buscam agora saber a nacionalidade dos viajantes e por onde eles passaram antes de ir ao Japão. Já se sabe que o grupo passou uma temporada na Amazônia. 

Porém, o chefe do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão, Takaji Wakita, afirmou que eles são brasileiros. 

Ainda de acordo com o comunicado, não há evidências científicas até o momento de que apontem que a nova variante não possa ser identificada em exames laboratoriais ou que seja resistente às vacinas desenvolvidas.

"O Ministério da Saúde reforça que já tomou as devidas medidas de precaução, tais como comunicação de alerta para toda a rede Cievs [Centro de Informações Estratégicas e Resposta de Vigilância em Saúde] do país; solicitação ao Ministério da Saúde do Japão de informação sobre a nacionalidade dos viajantes e locais de deslocamento no Brasil para rastreamento de potenciais contatos; e orientação, por meio de nota técnica, do diagnóstico molecular de variantes do SARS-CoV-2 à rede de saúde", diz a nota.

Últimas