Novo Coronavírus

Saúde Número de casos importados de coronavírus na China volta a subir

Número de casos importados de coronavírus na China volta a subir

País registrou mais 98 infecções em pacientes que vieram do exterior. Apesar de medidas para restringir a entrada de turistas, contágios não pararam

  • Saúde | Da EFE, com R7

Número de casos importados na China volta a subir

Número de casos importados na China volta a subir

Aly Song/Reuters - 12.4.2020

O número de casos importados de coronavírus na China voltou a subir no domingo (12), com 98 casos das 108 infecções detectadas vindas de quem voltou do estrangeiro recentemente, informou a Comissão Nacional de Saúde.

Isso representa um aumento em comparação aos 97 "importados" (dos 99 casos totais no país) do dia anterior, que por sua vez mais do que dobrou os 46 novos totais infectados com o coronavírus que as autoridades de saúde relataram no último sábado.

A comissão detalhou que, até a última meia-noite local (16:00 GMT de domingo), duas mortes causadas por coronavírus foram registradas, ambas no berço da pandemia, a cidade de Wuhan, na China, que já teve pelo menos 2.579 mortes desde o início do surto.

Quanto às 10 infecções "locais", três ocorreram na província de Cantão, no sudeste, enquanto as 7 restantes estavam localizadas em Heilongjiang, na fronteira com a Rússia e uma nova fonte de infecção na China.

Vindo da Rússia

Em particular, a passagem da fronteira Suifenhe - fechada desde quarta-feira passada, no mesmo dia em que a cidade de 70.000 habitantes entrou em quarentena - registrou cerca de 200 casos confirmados e mais de 100 casos assintomáticos, informou a agência estadual Xinhua.

Estes são na sua maioria chineses residentes da Rússia, que voaram de Moscou para Vladivostok e cruzaram seu país por terra pela cidade.

Várias equipes médicas foram enviadas para Suifenhe, e um novo hospital provisório de 600 leitos foi colocado em operação no último sábado (11) para tentar conter esse surto, que também deixou contágios "locais" entre os chineses que estavam em contato com viajantes de outros países.

Restrições não diminuíram casos

Os contágios importados são uma das grandes preocupações das autoritárias chinesas, e uma fonte de infecções que, até agora, Pequim falhou em barrar. Desde o dia 28 de março, a cidade não autoriza mais a entrada de estrangeiros. Mas, ainda assim, os casos vêm subindo.

Segundo o novo relatório, o número de pacientes curados e com alta hospitalar foi de 88 nas últimas 24 horas, e o número de casos ativos aumentou para 1.156. Desses, 121 estão em estado grave, 74 deles em Wuhan.

Assim, o número total de infectados diagnosticados na China desde o início da pandemia é de 82.160, com 3.341 mortes e, até o momento, 77.663 pessoas tiveram alta após a superação bem-sucedida da doença.

Mais 719.908 pessoas que tiveram contato direto com os infectados foram monitorados clinicamente, dos quais 9.655 ainda estão em observação e, destes, 72 seriam casos suspeitos de infecção pelo vírus.

Quanto aos infectados assintomáticos, a China registrou 61 novos casos, elevando o número total de pacientes em observação para 1.064.

Em 12 de março, o governo chinês declarou que o pico das transmissões havia terminado no país asiático.

Os sintomas do novo coronavírus são, em muitos casos, semelhantes aos de um resfriado, mas podem ser acompanhados de febre e fadiga, tosse seca e dispnéia (dificuldade em respirar).

Últimas