Obesos precisam ter cuidados especiais contra o coronavírus

Um dos principais fatores de risco para covid-19, obesidade atinge 19,8% dos brasileiros e pode carregar outros fatores como hipertensão e diabetes

Um a cada cinco brasileiros está obeso

Um a cada cinco brasileiros está obeso

EFE/J.M.ESPINOSA

Os obesos compõem um dos principais grupos de risco associados ao novo coronavírus. Atingindo um a cada cinco brasileiros (19,8% da população), a obesidade exige cuidados e necessidades especiais no atual cenário.

Especialistas ouvidos pela reportagem do R7 alertam para os riscos às pessoas com excesso de peso e dão conselhos sobre como enfrentar a pandemia com mais segurança.

A obesidade requer atenção especial também porque aumenta as chances de doenças como hipertensão arterial e diabetes, outras condições favoráveis à evolução da covid-19, como aponta Matheos Chomatas, coordenador de medicina geral e saúde coletiva da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná.

“O obeso, mesmo jovem, é tão ou mais grupo de risco que o idoso. Por isso, ele deve se comportar com mais cautela ainda durante a pandemia”, afirma Chomatas.

Renato Grinbaumm, infectologista e membro da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia), alerta que, caso infectados com a covid-19, os obesos podem apresentar quadros graves com risco maior do que aqueles que não o são. “As medidas de cuidados são as mesmas dos outros e é essencial que sejam seguidas”, orienta Grinbaumm.

Segundo Chomatas, embora as orientações permaneçam as mesmas – distanciamento social, lavar a mão, hábitos alimentares saudáveis e hidratação –, este grupo em específico deve ter maior cautela por ser fator de risco. Ele indica também que, para uma vida mais saudável, durante a pandemia ou não, “é necessário buscar o peso mais adequado”.

Veja também: O que você precisa saber sobre os grupos de risco da covid-19

Exércícios e boa alimentação

Leonardo Weismann, infectologista e membro da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia), diz que os obesos, além do distanciamento físico, devem evitar excessos alimentares e tomar corretamente medicações prescritas. “Este momento favorece um aumento do sedentarismo”, relembra.

Além da alimentação e medicações, manter uma rotina de exercícios físicos pode ajudar, sobretudo no período de confinamento. Vale lembrar que o sobrepeso atinge pouco mais de 55% da população brasileira, o que aponta para a necessidade dos cuidados não somente aos obesos.

Para Matheos Chomatas e Renato Grinbaumm, o melhor caminho é buscar os exercícios em casa, seguindo as orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde) pelo isolamento social.

A quem prefere atividades ao ar livre, como caminhadas, Chomatas recomenda que as faça de maneira isolada, sem proximidade com outras pessoas nas ruas.

Ao sentirem sintomas da covid-19, indica o médico, “os obesos devem procurar de maneira precoce um serviço de saúde adequado, para ser orientado e, se for o caso, fazer sua testagem”.