Novo Coronavírus

Saúde OMS deve autorizar vacina da Oxford entre fevereiro e março

OMS deve autorizar vacina da Oxford entre fevereiro e março

Aprovação possibilita que Opas e Unicef adquiram doses e distribuam órgão da ONU aguarda dados sobre CoronaVac

Agência Estado
A vacina de Oxford é a principal aposta do governo brasileiro contra a covid-19

A vacina de Oxford é a principal aposta do governo brasileiro contra a covid-19

Gareth Fuller/PA Wire/Pool via Reuters

A Organização Mundial da Saúde (OMS) deve autorizar, entre fevereiro e março, o uso emergencial da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, a principal aposta do Ministério da Saúde para imunizar a população brasileira. A informação foi dada diretora de acesso a medicamentos do órgão multilateral, Mariângela Simão, em entrevista à Globonews.

No mesmo período, disse Mariângela, deve haver autorização da vacina contra o coronavírus desenvolvida pela chinesa Sinopharm de Beijing. Até o momento, a OMS autorizou apenas o imunizante da Pfizer, em caráter emergencial. A aprovação possibilita que a Organização pan-americana de Saúde (Opas) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) adquiram doses e distribuam a países.

Leia também: Anvisa se reúne com Butantan nesta quarta-feira (6)

Em relação à Coronavac, vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, Mariângela limitou-se a dizer que a OMS aguarda os dados para emitir opiniões. "A Sinovac ainda não apresentou o dossiê completo". A diretora ainda se manifestou de modo contrário à possibilidade de instituições privadas se adiantarem ao poder público no oferecimento de imunizantes. "A vacinação é um bem público, não deveria ter discriminação entre quem paga ou não", afirmou, na entrevista. Como informou o Estadão/Broadcast, clínicas brasileiras procuraram a Índia para importação de imunizantes por fora das estratégias do ministério da Saúde.

Origem do coronavírus

Mariângela Simão chamou de "paranoia" a teoria de que o novo coronavírus foi criado em laboratório. "A principal hipótese continua sendo a origem animal", lembrou. Integrantes da OMS estão na China para estudar as origens do microrganismo, mas enfrentam resistências do governo local, fato criticado publicamente pela organização multilateral.

Últimas