OMS diz que alguns países escondem dados sobre coronavírus

Diretor-geral não mencionou país algum especificamente e salientou que a OMS está em contato constante com diferentes ministérios da saúde

Médicos transportam paciente com coronavírus em Cheongdo, na Coreia do Sul

Médicos transportam paciente com coronavírus em Cheongdo, na Coreia do Sul

Yonhap via EFE-EPA - 21.2.2020

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, denunciou nesta quarta-feira (26) que alguns países afetados pela epidemia do novo coronavírus não estão compartilhando todos os dados disponíveis com a entidade e os pediu para dividi-los.

"Um dos maiores desafios que enfrentamos é o fato de que muitos países afetados ainda não estão compartilhando seus dados com a OMS. Peço a todos os países que compartilhem imediatamente todas as suas informações", afirmou Ghebreyesus na reunião semanal com as missões diplomáticas em Genebra para relatar a situação atual em relação ao vírus.

VEJA TAMBÉM: Coronavírus fecha fronteiras e muda hábitos pelo mundo

O diretor-geral, que não mencionou país algum especificamente, salientou que a OMS está em contato constante com diferentes ministérios da saúde para resolver a situação.

"Não podemos fornecer recomendações de saúde adequadas sem dados detalhados ou listas com dados completos sobre pacientes afetados", acrescentou Ghebreyesus durante o discurso.

Usar o termo 'pandemia' aumentaria medo

O chefe da OMS disse também que o aumento dos casos fora da China, com aumentos repentinos na Itália, na Coreia do Sul e no Irã, é "profundamente preocupante".

No entanto, apesar da pressão que diz sofrer de políticos e parte da imprensa para declarar a Covid-19 uma pandemia, ele ponderou: "Não deveríamos estar ansiosos com isso".

"Usar o termo 'pandemia' não tem resultados tangíveis, e em vez disso corre o risco de aumentar o medo e a estigmatização, ou criar paralisia no sistema", justificou.

Embora a OMS já tenha esclarecido que não haverá uma declaração oficial de pandemia por considerar ser suficiente a declaração de emergência internacional para o coronavírus, que está em vigor desde 30 de janeiro, Ghebreyesus disse que não hesitará em usar a palavra no futuro caso seja uma descrição adequada para a situação.

Número diário de novos casos já é maior fora da China

O SARS-CoV-2 parece ter atingido o seu estágio mais alto de transmissão na China, onde o número de casos e mortes está diminuindo progressivamente, mas isso não deve ser motivo de relaxamento, mas sim de "vigilância contínua", como salientou o diretor-geral.

Nesse sentido, o chefe da OMS lembrou que nesta terça-feira o número de novas infecções diárias fora da China excedeu, pela primeira vez, as diagnosticadas no gigante asiático.