Coronavírus

Saúde OMS diz que vacina não é única solução para a saúde global

OMS diz que vacina não é única solução para a saúde global

O diretor-geral Tedros Adhanom ressaltou nesta segunda-feira (9) a importância de uma mudança na gestão do setor no mundo todo

  • Saúde | Da EFE

"Não há vacina para pobreza, fome e desigualdade", disse o diretor-geral da OMS

"Não há vacina para pobreza, fome e desigualdade", disse o diretor-geral da OMS

Pierre Albouy/Reuters

O diretor-geral da OMS (Organização Mundial de Saúde), Tedros Adhanom Ghebreyesus, garantiu nesta segunda-feira (9) que os efeitos de uma pandemia, como a da covid-19, não passam apenas pela vacina, mas também por uma mudança na gestão do setor global de saúde.

"Uma vacina não resolverá o pouco investimento global na saúde pública e em sistemas de saúde fortes, nem na urgente necessidade de ter um enfoque único que inclua a saúde humana, dos animais e do planeta, afirmou o líder da agência, em entrevista coletiva.

Leia também: Pfizer afirma que sua vacina contra covid-19 é 90% eficaz

Hoje, a OMS iniciou hoje a assembleia anual, que conta com a presença de ministros e outros responsáveis pelo setor de saúde dos 194 países-membros.

Tedros reforçou o discurso de que a vacina não é a única solução para um problema global, que afeta diretamente e indiretamente o setor, gerando doenças ao redor de todo o planeta.

"Não há vacina para a pobreza, para a fome, para a mudança climática ou para a desigualdade", disse o diretor-geral da OMS.

No discurso de abertura da assembleia, Tedros garantiu que houve um aumento das expectativas sobre a organização e sobre recursos financeiros que, segundo ele, não estão à altura de uma situação como a pandemia da Covid-19.

"Nosso orçamento anual equivale ao que o mundo gasta em um dia com produtos de tabaco. Se o mundo pode gastar esse dinheiro com produtos que matam, certamente, é possível encontrar os fundos e a vontade política para promover a proteção das pessoas", disse.

No discurso, Tedros reconheceu que a OMS era "muito dependente de um punhado de grandes doadores", por isso, é preciso aumentar a base dos que aportam recursos, empenho que está sendo liderado, especialmente, por União Europeia, França e Alemanha.

"Estamos em contato com potenciais doadores, como parte da nossa nova estratégia de mobilização de recursos", indicou. 

Últimas