Coronavírus

Saúde OMS: vacinas protegem contra variantes, mas ainda há lacunas

OMS: vacinas protegem contra variantes, mas ainda há lacunas

Segundo Organização Mundial da Saúde, ainda é preciso coletar informações sobre como os imunizantes respondem a cada cepa

Agência Estado
Diretora da OMS afirmou que as vacinas protegem contra casos graves das variantes

Diretora da OMS afirmou que as vacinas protegem contra casos graves das variantes

Dado Ruvic/Reuters-30/10/2020

Diretora do Departamento de Imunização, Vacinas e Produtos Biológicos da OMS Organização Mundial da Saúde), Katherine O'Brien afirmou que, apesar de haver algumas "lacunas" nas evidências sobre a eficácia das vacinas contra as variantes do coronavírus, os produtos, no geral, mantém a proteção contra casos graves e hospitalizações provocadas pela covid-19.

Durante sessão de perguntas e respostas nesta quarta-feira, 28, O'Brien disse que a OMS ainda precisa coletar informações que mostrem, de forma detalhada, como cada imunizante responde a cada uma das cepas do vírus em circulação. Até lá, a especialista afirmou que a população pode confiar nas vacinas.

Preocupada com o baixo suprimento dos produtos em regiões mais pobres do planeta, O'Brien disse que não é recomendável que países administrem doses de reforço das vacinas neste momento. Segundo ela, ainda não há evidência suficiente que prove que esta prática é benéfica.

Sobre a possibilidade de tomar diferentes imunizantes, a especialista afirmou que, por enquanto, somente a mistura de uma primeira dose da vacina da AstraZeneca com uma segunda dose dos produtos da Moderna ou Pfizer se mostrou eficaz. Até que mais informações sejam fornecidas sobre o tópico, ela recomendou a busca por doses da mesma vacina.

Últimas