Novo Coronavírus

Saúde OMS vê pandemia crescendo mais devagar no Brasil e pede cautela

OMS vê pandemia crescendo mais devagar no Brasil e pede cautela

Diretor da organização diz que aumento de casos de covid-19 já não é 'tão exponencial', mas indícios de estabilização não significam que se pode relaxar

  • Saúde | Do R7, com EFE

Mulher da etnia Satere Mawe em hospital para doentes de covid-19 em Manaus

Mulher da etnia Satere Mawe em hospital para doentes de covid-19 em Manaus

Bruno Kelly / Reuters - 3.6.2020

A curva de contágios do novo coronavírus no Brasil está crescendo de forma menos acelerada e os números podem ser considerados indícios de um processo de estabilização, mas ainda é cedo para concluir se o país já alcançou o pico da doença, destacou nesta quarta-feira (17) a OMS (Organização Mundial da Saúde).

"O crescimento não é tão exponencial como era anteriormente. Há alguns indícios de que a situação se estabilizou, mas temos visto em outros países que, após certa estabilização, os casos podem aumentar outra vez", alertou o diretor de Emergências Sanitárias da OMS, Mike Ryan.

VEJA TAMBÉM: OMS suspende testes com hidroxicloroquina em definitivo

Segundo o especialista, "é um momento para sermos extremamente cautelosos e focados nas medidas de distanciamento, higiene e redução de eventos de massa".

Ryan pediu apoio aos grupos mais vulneráveis na pandemia, como indígenas e moradores de favelas e outras áreas onde o distânciamento físico e as medidas de higiene são mais difíceis de serem aplicadas.

Proteção a comunidades vulneráveis e isolamento

Na opinião de Ryan, um país "com uma longa história" de combate a doenças epidêmicas "pode controlar a doença (covid-19) com sucesso". A chave do sucesso, segundo o especialista, seria a unidade em torno das políticas de combate à pandemia.

Ele reforçou a necessidade de políticas de isolamento ou distanciamento social. A OMS recomenda que os países adotem, basicamente, medidas que garantam o distanciamento associada a testagens em larga escala e ao rastreamento das chamadas cadeias de contato — ou seja, a identificação de todas as pessoas que possam ter tido contato com um paciente de covid-19, de forma a isolar prematuramente qualquer novo caso.

O Brasil, no entanto, não tem conseguido manter uma política de testagem em larga escala, o que impede tanto a mensuração exata da pandemia, como o rastreamento de possíveis infectados. Além disso, governo federal, estados e municípios divergem sobre a manutenção de políticas de isolamento.

De acordo com o consórcio de veículos de imprensa que coleta dados sobre a pandemia no Brasil, o país já teve 45.585 mortes e 934.769 casos confirmados até esta quarta-feira.

Últimas