Saúde ONU anuncia maior iniciativa global contra a raiva

ONU anuncia maior iniciativa global contra a raiva

Meta é acabar com as mortes de humanos por causa da raiva canina até 2030

  • Saúde | Da Agência Brasil

A raiva em seres humanos é uma doença transmitida por cães, na maioria dos casos

A raiva em seres humanos é uma doença transmitida por cães, na maioria dos casos

FAO/ONU

Diversas agências das Nações Unidas anunciaram, nesta quinta-feira (28), Dia Mundial de Combate à Raiva, a "maior iniciativa global" já realizada contra a doença. A parceria "Unidos Contra a Raiva" envolve a OMS (Organização Mundial da Saúde); a OIE (Organização Mundial da Saúde Animal); a FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação); e a Garc (Aliança Global para o Controle da Raiva). A informação é da ONU News.

A meta da estratégia é acabar com as mortes de seres humanos por causa da raiva canina até 2030.

Os cães são a principal fonte das mortes de pessoas pela doença, por contribuírem para 99% das transmissões. A OMS acredita que é possível eliminar a raiva vacinando os cães e prevenindo as mordidas pelos animais.

O foco do programa é abordar a doença "como um todo, envolvendo vários setores", com destaque para o papel dos serviços veterinários, de saúde e da educação na prevenção e no controlo da raiva. De acordo com a OMS, a doença viral ocorre em mais de 150 países e territórios, sendo geralmente fatal quando os sintomas aparecem. A raiva é 100% evitável, destaca a agência da ONU.

“Doença da pobreza”

Ásia e África são as regiões que registram dezenas de milhares de mortes por ano devido à infecção. Pelo menos 40% das vítimas de mordidas dos animais com raiva são crianças menores de 15 anos.

Uma das medidas mais eficazes para salvar vidas é uma lavagem imediata e cuidadosa com água e sabão da parte do corpo mordida por um animal suspeito de ter a doença.

A raiva é considerada uma "doença da pobreza" e negligenciada, porque afeta os mais pobres do mundo que "não podem pagar pelo tratamento ou pelo transporte para receber cuidados".

A médica Bernadette Abela-Ridder, participante da nova parceria, disse que o plano visa apoiar os países a desenvolver planos nacionais e fornece ferramentas inovadoras de capacitação e educação em redes regionais de raiva.

Ela aponta as vacinas como "componente essencial do plano global" e um impulso para programas nacionais, daí a iniciativa fornece liderança e defende que haja "recursos para atingir zero mortes pela raiva humana em 2030". A iniciativa defende que o mundo tem conhecimento, tecnologia e vacinas necessários para eliminar a raiva.

Últimas