Novo Coronavírus

Saúde Oxford: estados são responsáveis por maioria de ações contra covid-19

Oxford: estados são responsáveis por maioria de ações contra covid-19

Beatriz Kira, pesquisadora da universidade britânica, ressaltou, no entanto, que algumas medidas apresentaram alto custo aos mais vulneráveis no Brasil

  • Saúde | Ricardo Pedro Cruz, do R7

Estados e municípios foram responsáveis pela maioria das medidas

Estados e municípios foram responsáveis pela maioria das medidas

Amanda Perobelli/Reuters

Um estudo conduzido pela Escola de Governo, da Universidade de Oxford, na Inglaterra, identificou que a maioria das medidas de combate à pandemia do novo coronavírus no Brasil, até o momento, são iniciativas de governos estaduais e municipais.

Os resultados preliminares foram apresentados durante debate realizado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de S. Paulo), nesta terça-feira (14), no canal do Instituto Butantan, no YouTube. 

De acordo com a pesquisadora Beatriz Kira, o trabalho analisou as ações adotadas isoladamente e, também, em conjunto, no período entre janeiro e maio de 2020.

"Esse espaço entre as medidas federais e estaduais, mostra que na verdade a maior parte das medidas tomadas em resposta à covid-19 no Brasil foram adotadas a nível subnacional e não pelo governo federal", disse. 

Medidas de isolamento social, no entanto, tem afetado de forma mais significativa os mais pobres. "Elas têm custos altos e, esses custos, são sentidos de forma mais visível pelas populações mais vulneráveis. Os mais pobres, os trabalhadores informais e microempreendedores", completou. 

Segundo a pesquisadora, considerando que a maioria das ações restritivas foram implementadas em março, após a OMS (Organização Mundial da Saúde) decretar pandemia, 34% dos entrevistados apresentaram redução de 50% na renda. Além disso, 7% teria perdido totalmente os rendimentos.

"É bastante preocupante porque mostra o custo econômico dessas medidas e torna bastante evidente como não é uma questão simples manter ou não essas medidas por muito tempo". 

Últimas