Coronavírus

Saúde Pais e cuidadores tiveram a saúde mental mais afetada na pandemia

Pais e cuidadores tiveram a saúde mental mais afetada na pandemia

Situação se agrava para quem acumula esse papéis, segundo órgão dos EUA; contar com apoio de outras pessoas ameniza o problema

Cerca de 85% de pessoas que cuidam de familiares relataram sintomas

Cerca de 85% de pessoas que cuidam de familiares relataram sintomas

Pixabay

Pais de crianças com menos de 18 anos e cuidadores não remunerados de adultos tiveram mais problemas de saúde mental do que pessoas fora desses papéis durante a pandemia. Isso é o que apontou um relatório do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), do governo dos Estados Unidos. 

Mais de 10 mil pessoas participaram do estudo. A condição de saúde mental foi analisada em dois períodos, entre 6 e 27 de dezembro de 2020 e entre 16⁠ fevereiro e 8 de março deste ano. A pesquisa foi baseada em entrevistas e dados online e incluiu triagem para depressão, ansiedade, trauma de covid-19 e transtornos relacionados ao estresse. 

Cerca de 70% dos pais e 85% dos cuidadores com esse perfil relataram sintomas relacionados a problemas de saúde mental. Os pesquisadores observaram que pais e cuidadores que exerciam ambas funções, além de apresentarem um impacto maior na saúde mental que os demais, tinham cinco vezes mais chance de ter sintomas relacionados à questões da saúde mental. Já pessoas nessas funções que contavam com a ajuda de alguém apresentavam menos riscos de desenvolverem esses sintomas. 

O estudo também revelou que pais e cuidadores tinham oito vezes mais probabilidade de ter considerado o suicídio do que os demais. Sem dados anteriores ao período pandêmico, os pesquisadores ressaltam que não é possível afirmar que os problemas de saúde mental surgiram na pandemia. "Não se sabe se os sintomas adversos de saúde mental foram causados ​​ou agravados pela pandemia", aponta a pesquisa. 

Últimas