Novo Coronavírus

Saúde País paga 1ª parcela de consórcio de vacinas e prevê doses para 10% 

País paga 1ª parcela de consórcio de vacinas e prevê doses para 10% 

Os imunizantes se somarão a outro acordo de produção e, na previsão do ministério, país deverá contar com 140 milhões de doses no ano que vem

Agência Estado
País deverá contar com 140 milhões de doses no primeiro semestre do ano que vem

País deverá contar com 140 milhões de doses no primeiro semestre do ano que vem

Wu Hong/EFE/EPA - 24.09.2020

O Ministério da Saúde anunciou nesta quinta-feira (8) o pagamento da primeira parcela da iniciativa Covax Facility, no valor de R$ 830 milhões, de um total de R$ 2,5 bilhões. O Programa Covax, do qual o Brasil faz parte, é uma aliança global que visa a acelerar o desenvolvimento de vacinas contra a covid -19 e fazer uma distribuição equitativa.

Os imunizantes se somarão a outro acordo de produção e, na previsão do ministério, o país deverá contar com 140 milhões de doses no primeiro semestre do ano que vem.

Por meio da Covax, o Brasil deverá receber até o fim da primeira metade do ano que vem doses para 10% da população brasileira, o que equivale a 20 milhões de pessoas - em caso de vacinas que necessitem de duas doses, isso representaria 40 milhões de doses. As outras 100 milhões virão do acordo com o laboratório AstraZeneca, que desenvolve o imunizante em parceria com a Universidade de Oxford.

“Foi feito um pagamento antecipado de R$ 830 milhões (à Covax Facility), que ocorreu entre ontem (quarta-feira) e hoje (quinta-feira). Depois, de acordo com as condições contratuais será feito o restante do pagamento quando se definir um dos laboratórios”, disse o secretário executivo da pasta, Élcio Franco.

Ele também destacou que o Brasil aderiu à opção da Covax em que o país pode escolher qual vacina do portfólio imunizará a população quando estiver disponível. Estas são as nove iniciativas que integram o portfólio da Covax Facility: Inovio, Moderna, Curevac, ThemisMerk, Oxford/AstraZeneca, Novavax, Universidade Queensland, Clover e Universidade de Hong Kong.

“Havia duas opções na adesão, uma com o valor um pouco menor, mas com um risco maior e que nós fossemos contemplados com uma das vacinas apontadas pela Covax Facility. A que o Brasil aderiu foi a opção dois, em que nós poderemos escolher qual daquelas vacinas (virá para o Brasil). Isso nos trará uma segurança para a população, uma vez que só será disponibilizada a vacina para a população brasileira aquela vacina que for aprovada pela Anvisa”, explicou Élcio Franco.

Nas contas do ministério, 10% da população brasileira equivale à soma de pessoas com mais de 80 anos (4,4 milhões), as pessoas com morbidades (10,7 milhões) e os trabalhadores da área da Saúde (5 milhões). O governo federal ainda reforçou que a previsão de começar a imunizar a população continua para o primeiro trimestre de 2021, considerando os prognósticos, acompanhamento e escala produtiva que está se desenhando, mas lembrou que “existe um possibilidade de atraso”.

Últimas