Saúde Pandemia da covid-19 terá impacto de longo prazo na saúde mental

Pandemia da covid-19 terá impacto de longo prazo na saúde mental

Segundo OMS, isolamento, desemprego e problemas financeiros causados pela pandemia resultarão em problemas psicológicos

OMS promove
 debate sobre impactos da pandemia na saúde mental

OMS promove debate sobre impactos da pandemia na saúde mental

Pixabay

A pandemia de coronavírus terá um impacto de "longo prazo" na saúde mental das populações - advertiram a OMS (Organização Mundial da Saúde) e os ministros da Saúde europeus nesta quinta-feira (22), por ocasião de uma reunião de dois dias em Atenas.

"Da ansiedade com a transmissão do vírus, o impacto psicológico dos confinamentos e do autoisolamento, as consequências ligadas ao desemprego, as dificuldades financeiras, à exclusão social: (...) todo mundo se vê afetado de uma maneira, ou de outra", afirmam os ministros e a OMS em um comunicado.

A pandemia terá um "impacto de longo prazo e de grande alcance", alertam.

"Estamos falando de um componente-chave da nossa saúde, que requer ação agora", convocou o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, na abertura de um fórum de dois dias, em Atenas, sobre o impacto da pandemia da covid-19.

"Precisamos falar abertamente sobre o estigma que acompanha a saúde mental", acrescentou.

Para o vice-presidente da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, "a pandemia da covid-19 exacerbou o enorme desafio da saúde mental (...) Não há desculpa para adiar (esse debate)".

A OMS considera que "não é apenas o contágio, ou o medo de contágio, que tem afetado a saúde mental da população".

"O estresse causado pelas desigualdades socioeconômicas e os efeitos da quarentena, do confinamento, do fechamento de escolas e dos locais de trabalho tiveram consequências enormes", destacam os ministros e a OMS, em seu comunicado conjunto.

"A pandemia abalou o mundo. Mais de 4 milhões de vidas foram perdidas em todo planeta, rendas foram destruídas, famílias e comunidades se separaram, empresas quebraram", lembra o diretor da OMS na Europa, doutor Hans Kluge.

"A saúde mental e o bem-estar devem ser percebidos como direitos humanos fundamentais", continua, pedindo aos Estados que reconsiderem o acesso à atenção em saúde.

Entre as recomendações da OMS para os países europeus, estão o fortalecimento dos serviços de saúde mental em geral, a melhora do acesso à atenção por meio da tecnologia digital, o aumento dos serviços de apoio psicológico nas escolas, universidades, no local de trabalho e para as pessoas que trabalham na linha de frente na luta contra a covid-19.

Últimas