Novo Coronavírus

Saúde Pandemia deve durar até meados de 2022, prevê BioNTech

Pandemia deve durar até meados de 2022, prevê BioNTech

Empresa biofarmacêutica alemã, desenvolvedora da vacina vendida pela Pfizer, considera avanço da imunização no mundo

  • Saúde | Da EFE

Índia enfrenta pico de infecções com baixa cobertura vacinal

Índia enfrenta pico de infecções com baixa cobertura vacinal

Farooq Khan/EPA/EFE

Os fundadores do laboratório alemão BioNTech, responsável pelo desenvolvimento da vacina comercializada pela Pfizer, acreditam que a pandemia pode durar até meados de 2022, quando esperam que todas as regiões tenham alcançado alto índice de vacinação e imunidade de rebanho.

"Em meados de 2022, mesmo regiões com alta densidade populacional, como a Índia, terão alcançado um alto índice de vacinação e imunidade coletiva", disse o chefe da empresa, Ugur Sahin, em um evento organizado pelo períodico The Wall Street Journal.

De acordo com Sahin, nos próximos 12 meses, haverá um número crescente de países — desenvolvidos e em desenvolvimento —  alcançando essa imunidade de rebanho graças às vacinas.

Sahin destacou que em lugares como Europa e Estados Unidos a pandemia já começa a ser controlada graças às vacinas e à continuidade das medidas de distanciamento social, enquanto as infecções aumentam em lugares como a Índia, onde há bem menos vacinados e é mais difícil manter o distanciamento social.

“Temos que garantir taxas de vacinação realmente altas em todo o mundo. Do contrário, ninguém estará seguro”, frisou o cofundador e CEO da BioNTech, que considerou que a pandemia não vai acabar até que haja imunidade coletiva em todo o mundo.

Sahin, cuja firma fez parceria com a norte-americana Pfizer para produzir sua vacina, explicou que sua empresa está expandindo sua aliança de fabricação para produzir mais doses que podem ajudar países como a Índia, onde os casos dispararam recentemente.

Sua esposa e cofundadora da BioNTech, Özlem Türeci, observou que pode ser necessário combinar diferentes tipos de vacinas, incluindo vacinas de RNA mensageiro como a de sua empresa com outras como a da AstraZeneca, para acelerar a imunização em todo o mundo.

"Quanto mais vacinas tivermos disponíveis, melhor... Obviamente, em princípio, podemos misturá-las e combiná-las", disse Türeci, que é o diretora-médica da BioNTech.

Últimas