Pazuello não descarta vacina russa, mas diz que ainda faltam dados

Ministro interino da Saúde ressaltou nesta quinta-feira (13) que decisão de compra dependerá de muita negociação e da chegada de mais informações

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, participou de videoconferência

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, participou de videoconferência

Reprodução

A vacina aprovada pelo governo russo para a covid-19 ainda é muito incipiente e uma eventual decisão de compra pelo governo brasileiro dependerá de muita negociação e da chegada ao país de mais informações sobre o imunizante, disse nesta quinta-feira (13) o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello.

Ele disse que participou de videoconferência na véspera com representantes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), da embaixada russa no Brasil e do governo do Paraná, que assinou memorando de entendimento com os russos sobre a vacina.

Leia também: Pandemia leva à queda de transplantes no país

"Está muito incipiente. As condições estão muito ainda rasas, nós não temos profundidade nas respostas, nós não temos o acompanhamento dos números. Pode até haver tudo isso, mas ainda vai haver muita negociação, muito trabalho para que isso seja de uma forma efetiva, digamos, avalizado pela Anvisa para que nós possamos discutir a compra", disse Pazuello durante audiência na comissão mista do Congresso Nacional que acompanha a resposta do governo à pandemia.

"Sim, nós estamos atentos à vacina russa e caso essa prospecção seja positiva, nós devemos também participar", acrescentou.

O ministro interino disse ainda que o governo está atento a todas as potenciais vacinas contra o coronavírus que estão sendo desenvolvidas no mundo.

"É orientação e diretriz minha que todas as vacinas que se tornem uma prospecção positiva nós devemos estar acompanhando, devemos estar parceiros com opção de compra", afirmou.

Pazuello afirmou ainda que considera que a candidata a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, com a farmacêutica AstraZeneca é a mais promissora, mas disse que o governo federal apoia todas as iniciativas de vacina, inclusive a que está sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan, do governo do Estado de São Paulo, em parceria com a chinesa Sinovac Biotech

O governo federal tem um acordo para produzir a vacina Oxford/AstraZeneca localmente, no laboratório da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).