Coronavírus

Saúde Pedido da Anvisa não altera prazo de liberação da vacina, diz Butantan

Pedido da Anvisa não altera prazo de liberação da vacina, diz Butantan

Instituto afirma que fornece todos dados necessários para o uso emergencial da CoronaVac no Brasil

  • Saúde | Do R7

Butantan desenvolve a CoronaVac em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac

Butantan desenvolve a CoronaVac em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac

Amanda Perobelli/Reuters - 22.12.2020

O Instituto Butantan disse neste sábado (9) que a solicitação da Anvisa por mais dados para liberar o uso emergencial da CoronaVac no Brasil "não afeta o prazo previsto para autorização de uso do imunobiológico" contra a covid-19. A expectativa do governo de São Paulo é iniciar a vacinação com o imunizante no dia 25 de janeiro.

"Os pedidos de novos documentos ou mais informações são absolutamente comuns em processos como esses", afirma o laboratório responsável pelo desenvolvimento do imunizante em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Leia mais: Saúde diz que vacinas do Butantan serão aplicadas em todo o país

O instituto afirma ainda que permanece fornecendo todos os documentos necessários para o registro de uso emergencial da vacina e diz que os pedidos "estão sendo prontamente atendidas". O Butantan confirma também que já participou de duas reuniões com a Anvisa neste sábado e "está a disposição para o fornecimento de todos os dados complementares solicitados".

De acordo com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a submissão dos documentos técnicos faltantes nos dados apresentados pelo Butantan "é condição necessária para viabilizar a avaliação, conclusão e a deliberação sobre a autorização de uso emergencial das vacinas”.

Os dados divulgados pelo Butantan apontam que a CoronaVac tem 78% de eficácia na prevenção de casos leves da doença causada pelo coronavírus. Essa eficácia, porém, aumenta para 100% para casos graves e moderados da doença.

Últimas