Novo Coronavírus

Saúde Pedido de uso de vacina da Fiocruz se refere só a lote vindo da Índia

Pedido de uso de vacina da Fiocruz se refere só a lote vindo da Índia

Caso a fundação queira utilizar mais imunizantes, um novo pedido deve ser feito, que costuma ser avaliado mais rapidamente

  • Saúde | Do R7

Pedido de uso de 2 milhões de doses vacina de Oxford será avaliado domingo

Pedido de uso de 2 milhões de doses vacina de Oxford será avaliado domingo

Gareth Fuller/PA Wire/Pool via Reuters

A diretoria da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) vai se reunir neste domingo (17), às 10h, para decidir sobre os pedidos de uso emergencial da vacina de Oxford e CoronaVac. Se aprovados, um lote específico dos imunizantes estará liberado para dar início à vacinação contra a covid-19 no país. 

As autorizações valem somente para dois lotes das vacinas: 2 milhões de doses da vacina de Oxford, que serão trazidos da Índia, ainda sem data definida, e 6 milhões de doses da CoronaVac que já estão em território nacional.

Caso desejem usar mais vacinas de forma emergencial, Fiocruz e Butantan devem apresentar novos pedidos. No entanto, se já houver aprovação anterior, o processo é muito mais rápido.

O pedido de uso da vacina de Oxford, desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e pela farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca, foi feito pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), no Rio de Janeiro, que irá produzir o imunizante no Brasil. Já a solicitação da CoronaVac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac, foi realizada pelo Instituto Butantan, em São Paulo, que vai fabricar a vacina.

Últimas