Saúde Pernilongos de SP ficam 'bombados', resistentes e até sobem de elevador

Pernilongos de SP ficam 'bombados', resistentes e até sobem de elevador

Maiores e adaptados a inseticidas, eles criam nichos dentro de casa, como fossas de elevador e armários, onde entram para fazer a digestão

Pernilongos de SP ficam 'bombados', resistentes e até sobem de elevador

Pernilongo doméstico está ficando maior porque está se alimentando bem

Pernilongo doméstico está ficando maior porque está se alimentando bem

Pixabay

Os pernilongos de São Paulo estão “bombados”, resistentes a inseticidas e alcançam andares altos por meio do elevador.

“Ele está ficando maior porque está se alimentando bem. E quando comparado com o Aedes aegypti, que é bem menor, o Culex, o pernilongo doméstico, parece um monstro”, explica a entomologista Maria Anice Sallum, professora do Departamento de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da USP.

Saiba mais: Reclamações por pernilongos em São Paulo disparam

Marrom escuro e mais barulhento que os demais, o Culex, como todo mosquito, costuma ficar perto de seu alimento. No caso, o sangue humano. “Ele não escolhe ficar próximo ao ouvido intencionalmente. Procura as áreas que estão descobertas”, explica a professora.

Além de rios poluídos e “esconderijos” urbanos, como calhas entupidas e calçadas quebradas, os pernilongos domésticos buscam nichos para procriarem dentro das residências.

Por essa razão, muitas vezes telar as janelas não é o suficiente para se proteger contra eles. “Após picar, eles se escondem em armários porque são ambientes escuros, sem movimento e sem corrente de vento, excelentes para fazer a digestão”, diz.

Ao saírem do armário, o caminho esperado é o ralo. É ali – ou em outros locais similares da casa com acúmulo de água, como vasos de plantas – que elas produzem os ovos. Lembrando que apenas as fêmeas picam.

Leia também: Mais de 130 mil 'Aedes do bem' são soltos em Indaiatuba contra dengue

Portanto, não é preciso ser vizinho do rio Pinheiros, considerado um dos principais focos de pernilongos em São Paulo, para sofrer com o ataque de pernilongos. Também não é necessário morar em casa. Eles alcançam altos andares de apartamentos de uma forma bem simples: sobem pelo elevador. “Há água acumulada na fossa do elevador. Os pernilongos também voam de um apartamento para outro”, afirma.

Inverno quente e seco favorece aumento de ataque

De acordo com a entomologista, os pernilongos domésticos estão mais resistentes, ou seja, já de adaptaram aos inseticidas comerciais. Entre os meios para combatê-los, ela menciona as armadilhas. Por meio da luz ultravioleta, atraem e matam os pernilongos. As armadilhas são vendidas em lojas especializadas em produtos de controle de insetos.

Vale ressaltar que a forma mais eficaz de combater os pernilongos é por meio da eliminação dos criadouros. “Os inseticidas, como o ‘fumacê’, utilizado para pulverizar as margens do rio Pinheiros, devem ser utilizados somente em caso de epidemia. No caso de desconforto, como ocorre agora, a medida é tomar os devidos cuidados dentro da própria casa”, afirma. 

Há um aumento do ataque de pernilongos domésticos neste inverno porque as condições climáticas – tempo quente e seco – impedem que as larvas morram. Pelo contrário, a falta de chuva torna os criadouros mais estáveis, ricos em matéria orgânica, favorecendo o desenvolvimento das larvas, o que resulta em uma maior quantidade de mosquito.

Você sabe identificar quais doenças esses mosquitos transmitem?