Pesquisa da Fiocruz comprova que Aedes aegypti é o principal transmissor do zika vírus 

Cientistas encontram primeiro mosquito da espécie infectado pelo vírus

Pesquisas comprovam: Aedes aegypti é o principal transmissor de zika vírus 

Fiocruz identifica mosquitos Aedes aegypti naturalmente infectados po zika vírus

Fiocruz identifica mosquitos Aedes aegypti naturalmente infectados po zika vírus

Reprodução/NPR

Especialistas do IOC Fiocruz (Instituto Oswaldo Cruz) confirmaram a existência de mosquitos Aedes aegypti naturalmente infectados pelo zika, na natureza. Isso significa que foram encontrados mosquitos já com o vírus no organismo, e não infectados por pesquisadores.

Segundo o chefe do Laboratório de Mosquitos Transmissores de Hematozoários do IOC e líder do estudo, Ricardo Lourenço, até então, não se tinha certeza de que era o Aedes aegypti o principal transmissor do zika vírus, uma vez que nunca havia sido encontrado um mosquito da espécie infectado pelo vírus.

— A última vez que o Aedes aegypti foi encontrado infectado pelo zika foi em 1960 na Malásia. Essa descoberta comprova a hipótese dos pesquisadores de que é ele o principal transmissor da doença.

Lourenço afirmou, ainda, que essa novidade é essencial para motivar as pesquisas, uma vez que, comprova que os cientistas estão no caminho certo.

"Zika vírus é muito pior que o ebola", diz especialista

— Não estudávamos apenas o Aedes aegypti, mas também outros mosquitos. Por mais que partíssemos do pressuposto de que era o Aedes o principal transmissor, não havia nada que comprovasse essa tese. Agora há. Para seguirmos com outros avanços, precisávamos de duas informações: qual era o inseto naturalmente infectado e se a picada dele poderia transmitir a doença. A segunda nós já havíamos comprovado. Agora temos certeza de ambas.

Ao ser questionado sobre uma possível influência dessa descoberta no desenvolvimento da vacina contra o zika vírus, o especialista foi claro:

— Não há relação plausível. A descoberta só vai aumentar a certeza das investigações, mas não tem como estimular a produção da vacina.

Até o momento, o Aedes aegypti é a única espécie que, comprovadamente, transmite o zika vírus. De acordo com Lourenço, as coincidências geográficas também comprovam essa hegemonia do mosquito: onde há Aedes, há surto de zika vírus.

OMS: vacina contra zika vírus pode não chegar a tempo para combater surto

Segundo a Fiocruz, o trabalho de captura de mosquitos para identificar os transmissores de dengue, zika vírus e febre chikungunya, está sendo realizado em locais próximos a residências de pessoas infectadas pelas doenças. Ao longo de dez meses, cerca de 1.500 mosquitos adultos de diversas espécies — entre machos e fêmeas — foram capturados e levados para análise no laboratório. Destes, quase a metade eram da espécie Aedes aegypti.

A análise apontou a presença do vírus em três conjuntos de mosquitos Aedes aegypti, coletados nos bairros de Coelho da Rocha, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, e Realengo, zona Norte do Rio. Entre os mosquitos capturados, nenhuma outra espécie estava infectada.

Para o especialista, a rápida propagação do zika vírus pode ter sido consequência de uma série de fatores: comportamento, distribuição e densidade populacional do Aedes aegypti nas regiões brasileiras são os principais deles. 

— Agora, queremos nos aprofundar nas pesquisas para descobrirmos se um mesmo mosquito pode ser infectado por zika, chikungunya e dengue, e como essa transmissão ocorreria. 

*Colaborou: Talyta Vespa, estagiária do R7