Saúde Pfizer diz ter solucionado problema que atrasou vacinas na UE

Pfizer diz ter solucionado problema que atrasou vacinas na UE

Farmacêutica afirma que questão estava relacionada à logística e não a problema de fabricação; Espanha foi um dos países afetados 

  • Saúde | Do R7

Resumindo a Notícia

  • Pfizer afirmou que atraso na entrega de vacinas contra a covid-19 estava relacionado à logística.
  • Laboratório informou que houve um "problema de carregamento e envio".
  • A Espanha foi um dos países afetados e receberá 1º lote com 350 mil doses nesta terça-feira.
  • O primeiro lote deveria ter chegado nesta segunda-feira (28) ao país.
Pfizer anunciou que solucionou as questões que geraram atraso na entrega

Pfizer anunciou que solucionou as questões que geraram atraso na entrega

Stephen Dunn / Pool via Reuters - 18.12.2020

A Pfizer anunciou nesta segunda-feira (28) que solucionou as questões que geraram atraso na entrega a oito países da União Europeia (UE) da vacina contra o novo coronavírus que foi produzida em conjunto com a BioNtech.

"Devido a um problema logístico menor, reprogramamos um número limitado de nossas entregas. A situação já se resolveu, e essas entregas agora estão sendo enviadas. Não há problemas de fabricação a informar", disse um porta-voz da companhia americana à Agência Efe.

Leia também: Brasileiros relatam dificuldades para sair do Reino Unido

A Espanha foi um dos países afetados pelo atraso e receberá nesta terça-feira (29) o primeiro lote semanal de 350 mil doses da vacina contra o novo coronavírus, que deveria ter chegado hoje ao país, segundo o Ministério da Saúde local.

Segundo a pasta, o laboratório havia informado um "problema de carregamento e envio".

A campanha de vacinação na Espanha começou no sábado, em meio a um esforço conjunto dos países integrantes da UE para iniciar a imunização da população ainda em 2020.

"Me comove ver gente se vacinando em todas as partes da União Europeia, de Madri a Paris, de Atenas a Riga. Protegeremos os mais vulneráveis, e logo teremos doses suficientes para todos", disse a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Últimas