Novo Coronavírus

Saúde Pfizer pede autorização nos EUA para uso emergencial de vacina

Pfizer pede autorização nos EUA para uso emergencial de vacina

Expectativa é que o aval seja concedido em meados de dezembro; ainda neste ano, 50 milhões de doses do imunizante devem estar prontas

Reuters - Internacional
Vacina da Pfizer mostrou 95% de eficácia contra a covid-19

Vacina da Pfizer mostrou 95% de eficácia contra a covid-19

EFE /HOTLI SIMANJUNTAK/Archivo

A Pfizer informou nesta sexta-feira (20) que solicitou aos reguladores de saúde dos Estados Unidos a autorização de uso de emergência de sua vacina contra covid-19, um passo importante para fornecer proteção contra o coronavírus a norte-americanos já cansados da pandemia.

Leia também: Vacina contra o coronavírus: a verdade sobre os boatos de DNA alterado, microchips implantados e efeitos colaterais

A solicitação ao órgão regulador norte-americano, a Food and Drug Administration (FDA, na sigla em inglês), veio poucos dias depois de a Pfizer e sua parceira alemã BioNTech anunciarem resultados de testes finais que mostraram que a vacina é 95% eficiente na prevenção da covid-19 sem grandes problemas de segurança.

As ações da Pfizer subiram 2% e as da BioNTech 5% após a notícia de que a vacina pode estar disponível em breve, o que criou a esperança de um fim da pandemia que já acabou com mais de 250 mil vidas nos Estados Unidos e mais de 1,3 milhão em todo o mundo.

As empresas acreditam que a FDA concederá a autorização em meados de dezembro e disseram que começam a enviar as doses quase de imediato. A Pfizer prevê que terá 50 milhões de doses da vacina prontas neste ano, o suficiente para proteger 25 milhões de pessoas.

Leia também: Pfizer poderá distribuir vacina contra covid horas após aprovação

Um comitê de aconselhamento da FDA cogita se reunir entre 8 e 10 de dezembro para debater a vacina, disse uma fonte que acompanha a situação, mas as datas ainda podem mudar.

Os dados do teste final revelaram que a vacina proporcionou um nível de proteção semelhante em idades e etnicidades diferentes – um sinal promissor, dado que a doença afeta desproporcionalmente idosos e minorias.

Últimas