Novo Coronavírus

Saúde Pfizer propõe mudar temperatura de armazenamento de vacina

Pfizer propõe mudar temperatura de armazenamento de vacina

Fabricante diz que é possível manter imunizantes entre -15°C e -25°C por até duas semanas, em alterativa aos atuais -75°C

Reuters
Armazenamento ultrafrio é uma barreira para muitos locais sem infraestrutura

Armazenamento ultrafrio é uma barreira para muitos locais sem infraestrutura

Hannah Beier/Reuters

A Pfizer e a BioNTech apresentaram novos dados de temperatura à FDA (Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos) que, como disseram nesta sexta-feira (19), poderiam permitir que sua vacina contra covid-19 seja armazenada em refrigeradores de farmácia, e não em instalações de armazenamento ultrafrias.

Se aprovadas, as exigências de armazenamento menos onerosas ofereceriam um alívio logístico considerável para a distribuição da vacina, particularmente em países de renda mais baixa que não têm a infraestrutura necessária.

A vacina Pfizer/BioNTech, assim como a vacina de duas doses da Moderna, obteve autorização de uso emergencial nos EUA e está sendo distribuída amplamente, parte dos esforços de vacinação em massa do país.

Os dados novos foram encaminhados à FDA em apoio a uma proposta de atualização do selo de uso emergencial atual que permitiria que as ampolas de vacina sejam armazenadas entre 25°C e 15°C negativos por até duas semanas como alternativa ao armazenamento em um congelador de temperatura ultrabaixa.

"Os dados apresentados podem facilitar o manuseio de nossa vacina em farmácias e proporcionar uma flexibilidade ainda maior a centros de vacinação", disse o presidente-executivo da BioNTech, Ugur Sahin.

O selo atual da Pfizer/BioNTech exige que a vacina seja armazenada em um congelador ultrafrio com temperaturas entre -80ºC e -60ºC, e a empresa pede que seja transportada em contêineres especiais.

Últimas