Pragas urbanas aumentam no verão. Saiba quais os riscos à saúde

Mosquitos são perigosos porque transmitem doenças como a dengue, já escorpiões causam envenenamento; acúmulo de lixo e água deve ser evitado

Escorpião amarelo tem veneno muito tóxico e consegue viver dentro de casa

Escorpião amarelo tem veneno muito tóxico e consegue viver dentro de casa

Júlio Alc}antara / Estadão Conteúdo

Nas estações mais quentes do ano, como o verão, aumentam as pragas urbanas – como mosquitos, baratas, ratos e escorpiões. Elas trazem inúmeros riscos à saúde, mas podem ser afastadas com medidas simples de higiene, segundo o biólogo Claudio Maurício de Souza, do Instituto Vital Brazil.

De acordo com ele, todas as pragas devem ser vistas com preocupação pelos danos que podem causar à saúde, mas algumas se destacam.

“Do ponto de vista epidemiológico, os mosquitos são os mais perigosos porque transmitem doenças como dengue, chikungunya e febre amarela.”

Segundo o biólogo, “dependendo da região do país, pode haver aumento de um grupo de agentes transmissores específico nos meses mais quentes do ano, como acontece no Nordeste e Centro-Oeste".

O especialista também destaca o aumento de acidentes com aranhas, lagartas, abelhas e escorpiões, que são animais peçonhentos. Este último é o mais perigoso.

Leia mais: Brasil registra 90 mil acidentes com escorpiões e número deve aumentar

“Todos eles são venenosos. Aqui no Brasil, tem o escorpião amarelo que tem o veneno muito tóxico, se reproduz muito rápido e consegue viver dentro das casas”, ressalta o especialista.

Ele alerta para o fato de que crianças, no geral, são mais vulneráveis a doenças causadas por pragas, especialmente ao envenenamento por meio da picada de escorpião, que pode levar à morte.

“Isso acontece porque o sistema imunológico é frágil e por causa da relação entre quantidade de veneno e peso: quanto mais baixo o peso, mais rápido o veneno se distribui pelo corpo”, explica.

Nesse caso, a orientação é procurar socorro imediatamente. “O soro antiescorpiônico deve ser aplicado o mais rápido possível, assim que a criança chega ao hospital”, enfatiza.

Leia mais: Brasilândia é o bairro com mais ataques de escorpião em São Paulo

Souza também destaca que roedores podem causar leptospirose — infecção aguda transmitida pelo contato com a urina desses animais. Os sintomas são febre, dor de cabeça, muscular e sangramentos. Pode ser fatal se não houver tratamento.

Já baratas e moscas geram doenças bacterianas e podem contaminar alimentos, assim como as formigas.

Acúmulo de lixo e água atrai pragas

Locais com acúmulo de água, lixo, entulho e frestas atraem mais pragas. Entretanto, elas podem estar presentes em todos os lugares.

“As pragas urbanas se especializaram em viver perto do homem, então, áreas de luxo também estão propensas a elas”, esclarece.

Medidas simples de higiene previnem o aparecimento de pragas. “É necessário afastar fontes de alimentos, como restos de comidas e monitorar o que entra e sai das casas”, aconselha Souza.

Leia mais: Formiga não é suja como barata, mas pode causar problemas

Quando o biólogo está em trabalho de campo, ele identifica os “4 As”: o meio pelo qual a praga teve acesso à residência, seu abrigo, quais são seus alimentos e sua fonte de água.

“Qualquer fresta dentro de casa pode servir de abrigo para pragas. Elas podem ficar embaixo de móveis, atrás de cortinas e em armários que estão sujos e úmidos”, afirma o especialista.

“Baratas são alimentos para escorpiões, então sempre estão associadas ao aumento deles”, completa.

Procura por dedetização quase triplica no verão

Souza alerta que a dedetização só deve ser feita quando for realmente necessária.

“É só em último caso, o responsável técnico vai indicar a necessidade. Apenas empresas especializadas e com produtos registrados pela Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] podem realizar”, destaca.

De acordo com pesquisa Tempo Tem, startup que oferece serviços para casas e automóveis, a procura pela dedetização chega a triplicar em janeiro se comparada com os meses de junho ou julho. Em 2018, a diferença foi de 182%.

Bianca Amaral, diretora da empresa, ressalta que fazer a dedetização com profissionais não habilitados pode trazer riscos para as pessoas, os animais e o ambiente.

Segundo ela, o ideal é que a casa esteja limpa e organizada antes de ser dedetizada. Durante a aplicação do inseticida, a casa deve estar vazia para evitar a exposição de pessoas e animais ao produto químico.

"Após a aplicação, é importante que o ambiente seja arejado e esteja seco para a entrada dos moradores. O período [de afastamento] pode variar entre 6 e 8 horas", explica Bianca.

"Crianças, idosos e animais requerem sempre mais cuidados, por estarem em grupo de sensibilidade maior. Desta forma, recomendamos, se necessário, aumentar o tempo para retornar ao imóvel", acrescenta.

Baratas, moscas e ratos aumentam no verão. Veja dicas para livrar sua casa de pragas urbanas: