Primeiros estrangeiros selecionados pelo Mais Médicos chegam ao Brasil

Cinco desembarcaram em Brasília nesta sexta-feira (23)

Ministro da Saúde recebe médicos estrangeiros no aeroporto

Ministro da Saúde recebe médicos estrangeiros no aeroporto

Valter Campanato/ABr

Desembarcaram nesta sexta-feira (23), em Brasília, cinco profissionais vindos de Portugal, selecionados pelo programa Mais Médicos, até domingo mais 18 chegam à capital do País. Os profissionais moravam em Portugal, onde trabalhavam, quatro são estrangeiros e um é brasileiro.Segundo lista repassada pelo ministério da saúde, são três homens e uma mulher, a identidade do quinto médico não foi divulgada. 

Eles fazem parte do grupo de 244 profissionais selecionados pelo programa Mais Médicos, que chegam ao País de hoje até domingo em oito capitais (Brasília, Fortaleza, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Recife, Salvador e Belo Horizonte).

Nessas cidades, os médicos vão passar por três semanas de treinamento em universidade federais, onde aprenderão sobre saúde pública e língua portuguesa. Após essa etapa, eles receberão autorização provisória para trabalhar no País por três anos e serão encaminhados aos municípios selecionados. A previsão é que eles passem a atender a população a partir do dia 16 de setembro.

Presidente do CRM afirma que não vai socorrer médicos estrangeiros em caso de erros

Os custos de alojamento e alimentação durante o treinamento serão bancados pelo governo federal. Eles foram recepcionados no Aeroporto Internacional Juscelino Kubstcheck, em Brasília, pelo ministro da saúde, Alexandre Padilha.

Médico cubano deverá ganhar até R$ 4.000

O ministro disse que o programa é irreversível e que os profissionais têm as características buscadas pelo governo brasileiro.

— Vamos até o fim. O que nos move é levar médicos onde não existem médicos no nosso País. Eu sei que um médico perto da população faz toda a diferença. [...] Eles têm experiência em atuar ou em áreas rurais ou na medicina da família, na atenção básica, valorizam muito aquilo que a gente acha mais importante de um médico, que é o contato humano, o atendimento, ouvir as pessoas. 

A partir deste sábado (24), começam a desembarcar no País os médicos cubanos. Na primeira leva são 400 profissionais, que também passarão por treinamento. Até o fim do ano, devem desembarcar no Brasil 4.000 cubanos.

Sobre as críticas à chegada dos profissionais, o ministro Padilha disse que não será "admitido preconceito".

— Nós não admitimos e não faz parte da cultura brasileira ter preconceito com qualquer povo. A medicina de Cuba é reconhecida no mundo, sobretudo, na atenção básica.