Coronavírus

Saúde Produtores de vacina contra covid tem lucros bilionários

Produtores de vacina contra covid tem lucros bilionários

Empresa norte-americana BioNTech, produtora da Pfizer, faturou cerca de R$ 57 bilhões de reais com a venda do imunizante

AFP
Empresas norte-americanas dominam a lista de lucro com a produção da vacina

Empresas norte-americanas dominam a lista de lucro com a produção da vacina

Sean Rayford / Getty Images via AFP - Arquivo

As vacinas já aprovadas para combater a covid-19 geraram bilhões de dólares para os grupos farmacêuticos que as produzem, começando pela aliança entre a americana Pfizer e a alemã BioNTech, que publicaram seus resultados financeiros nesta segunda-feira (9). 

Aqui estão os resultados dos grupos privados que comunicaram seus números. Os resultados econômicos das vacinas desenvolvidas por instituições públicas, como a russa Sputnik V e a chinesa, não foram divulgados.

Grandes vencedores: Pfizer e BioNTech

A gigante americana e a empresa de biotecnologia alemã, associadas para desenvolverem a vacina contra a covid-19, foram os primeiros grupos ocidentais a obterem resultados positivos de sua vacina, assim como a autorização para comercializá-la na União Europeia e Estados Unidos, o que lhes permitiu estrear com uma enorme vantagem econômica.

A vacina rendeu para a Pfizer mais do que para qualquer outro concorrente: US$ 10,8 bilhões de dólares (em torno de R$ 57 bilhões de reais) no primeiro semestre de 2021, período a partir do qual começou a faturar a maior parte das vendas da imunização.

As previsões apontam que ainda pode alcançar vendas de sua vacina pelo valor de US$ 33,5 bilhões de dólares este ano (cerca de R$ 177 bilhões de reais).

Já a BioNTech registrou um faturamento de US$ 8,5 bilhões de dólares (em torno de R$ 45 bilhões de reais) no primeiro semestre. Ao contrário da Pfizer, que trabalha em diferentes tratamentos, a empresa alemã só comercializa este produto, portanto os números revelam o resultado específico desta vacina.  

Para 2021, a BioNTech estima que as vendas da vacina chegarão a US$ 18,7 bilhões de dólares (cerca de R$ 99 bilhões de reais).

Moderna: bem colocada

A empresa emergente americana Moderna desenvolveu uma vacina de RNA mensageiro como a da Pfizer/BioNTech, entre as primeiras aprovadas no Ocidente.

Assim como a BioNTech, a Moderna tem apenas a vacina anticovid-19 em seu portfólio de produtos em circulação, o que lhe gerou uma renda de US$ 5,9 bilhões de dólares (em torno de R$31 bilhões de reais).

A Moderna estima ter um faturamento em 2021 de US$ 20 bilhões de dólares (cerca de R$ 106 bilhões de reais) graças à vacina. 

AstraZeneca e Johnson & Johnson: atrasados

A anglosueca AstraZeneca e a americana Johnson & Johnson, por meio de sua filial belga Janssen, obtiveram a autorização da UE, porém mais tarde. 

Embora desempenhe um papel importante na campanha de vacinação em países como a Índia, a vacina da AstraZeneca ainda não foi aprovada pelos Estados Unidos.

Esses dois grupos prometeram vender suas vacinas sem lucrar durante a pandemia, o que torna o preço de comercialização de seus produtos mais baixo que os da Pfizer/BioNTech e Moderna, e reduz sua renda. 

A AstraZeneca anunciou US$1,17 bilhão de dólares (cerca de R$ 6 bilhões de reais) pela sua vacina durante o primeiro semestre. A Johnson & Johnson obteve US$ 264 milhões de dólares (em torno de R$ 1,4 bilhão de reais) pela sua, que foi aprovada mais tarde.

Até o fim do ano, a Johnson & Johnson espera um volume de vendas de US$ 2,5 bilhões de dólares (cerca de R$ 13,2 bilhões de reais) pela sua vacina. A AstraZeneca ainda não divulgou previsões detalhadas.

Últimas