Reinfecção de covid-19 é improvável por pelo menos 6 meses, diz estudo

Pesquisa feita com profissionais de saúde do Reino Unido sugere que casos de reinfecção continuarão sendo muito raros

Profissionais de saúde participaram do estudo no Reino Unido

Profissionais de saúde participaram do estudo no Reino Unido

MARTIN DIVISEK/EFE/EPA

A reinfecção pelo coronavírus é altamente improvável por pelo menos seis meses após a primeira infecção, de acordo com um estudo britânico com profissionais de saúde que estão na linha de frente da luta contra a pandemia de covid-19.

As descobertas devem oferecer alguma garantia para as mais de 51 milhões de pessoas em todo o mundo que tiveram a doença pandêmica, disseram pesquisadores da Universidade de Oxford.

"Esta é uma notícia realmente boa, porque podemos ter certeza de que, pelo menos no curto prazo, a maioria das pessoas que tiveram covid-19 não serão acometidas novamente", disse David Eyre, professor do Departamento de Saúde Populacional de Nuffield em Oxford e um dos líderes do estudo.

Leia também: Pfizer pede autorização nos EUA para uso emergencial de vacina

Casos isolados de reinfecção levantaram preocupações de que a imunidade pode ter vida curta e que os pacientes recuperados podem rapidamente adoecer de novo.

Mas os resultados deste estudo, realizado em profissionais de saúde do Reino Unido - que estão entre aqueles com maior risco de contrair covid-19 - sugerem que os casos de reinfecção provavelmente permanecerão extremamente raros.

"Estar infectado com covid-19 oferece proteção contra a reinfecção para a maioria das pessoas por pelo menos seis meses", disse Eyre. "Não encontramos nenhuma nova infecção sintomática em nenhum dos participantes com teste positivo para anticorpos."

Leia também:  Vacina contra o coronavírus: a verdade sobre os boatos de DNA alterado, microchips implantados e efeitos colaterais

A pesquisa, parte de um importante programa de testes da equipe, cobriu um período de 30 semanas entre abril e novembro de 2020. Seus resultados não foram revisados ​​por outros cientistas, mas estão publicados no site MedRxiv.

Durante o estudo, 89 de 11.052 funcionários sem anticorpos desenvolveram uma nova infecção com sintomas, enquanto nenhum dos 1.246 funcionários com anticorpos desenvolveu uma infecção sintomática.

Leia também: Reinfecção por coronavírus tende a ser mais grave? Tire suas dúvidas

Profissionais com anticorpos também foram menos propensos a testar positivo para a covid-19 sem ter sintomas, disseram os pesquisadores: 76 dos que não tinham anticorpos testaram positivo, em comparação com apenas três que possuiam anticorpos. Esses três estavam bem e não desenvolveram sintomas da doença.

"Continuaremos a acompanhar os funcionários cuidadosamente para ver quanto tempo dura a proteção e se a infecção anterior afeta a gravidade da segunda, caso isso aconteça novamente", disse Eyre.