Coronavírus

Saúde Relatora da comissão da covid espera vacina no início de 2021

Relatora da comissão da covid espera vacina no início de 2021

Carmen Zanotto afirmou nesta quarta-feira (02), em encontro com a Fiocruz, que a vacina de Oxford é a que melhor se adapta à estrutura do SUS

  • Saúde | Myrcia Hessen, RecordTV

Carmem Zanotto é relatora da comissão externa de combate à pandemia

Carmem Zanotto é relatora da comissão externa de combate à pandemia

Gustavo Lima/04.06.2013/Câmara dos Deputados

A deputada federal Carmen Zanotto ( Cidadania-SC) disse nesta quarta-feira (02) esperar que o Brasil possa ter já no início do próximo ano uma ou mais vacinas seguras para imunizar a população contra o novo coronavírus.

Leia também: País terá 15 mi de doses da vacina de Oxford em janeiro, diz Pazuello

Para a relatora da comissão externa de combate à pandemia, as esperanças dos brasileiros são reforçadas com o anúncio de que o Reino Unido dará início, a partir da próxima semana, ao processo de vacinação. O imunizante será o da Pfizer, que obteve o registro da agência inglesa em tempo recorde.

“Com o avanço das pesquisas em menos de doze meses de pandemia, a nossa expectativa é de que possamos estar vacinando os brasileiros já no início do ano que vem. As nossas esperanças aumentam com a quantidade de testes clínicos que vêm sendo realizados no mundo”, reforçou Zanotto.

A declaração foi feita na reunião da comissão com a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). No encontro, foram dirimidas as dúvidas em torno da dosagem da vacina de Oxford.

“Os esclarecimentos são importantes, até porque estamos muito animados com esta vacina, que é a que melhor se adapta à nossa estrutura de vacinação do SUS. Este imunizante permite que possamos estar em todos os municípios com mais facilidade. As salas de imunização brasileiras não permitem refrigeração abaixo de 80 graus centígrados para a conservação da vacina”, revelou Carmen.

Segundo Nízia Trindade, presidente da Fiocruz , a previsão é de que a Oxford/AstraZeneca  seja “nacionalizada” no Brasil a partir do segundo semestre de 2021.

Últimas