Novo Coronavírus

Saúde Saiba a diferença entre eficácia e eficiência de uma vacina

Saiba a diferença entre eficácia e eficiência de uma vacina

Nos estudos da vacina contra covid-19 realizados por vários fabricantes, eficácia tem significado distinto de efetividade, que mede a eficiência

  • Saúde | Eugenio Goussinsky, do R7

Vacinas estão em fase final de testes

Vacinas estão em fase final de testes

EFE/BioNTech SE/21-11-20

A expectativa para a aprovação e a esperada implementação das vacinas têm sido vinculadas a duas palavras: eficácia e efetividade. Cada uma, nesse processo, tem um significado. É importante não confundir uma com a outra, conforme afirma o infectologista Renato Kfouri, primeiro-secretário da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunização).

Veja também: Compositor faz música para inspirar confiança diante da pandemia

"O termo eficácia se refere aos resultados dentro de um estudo clínico da vacina. Nestes estudos controlados, os voluntários têm um acompanhamento para se verificar se a vacina protegeu mais quem recebeu a própria vacina ou um placebo. Se foi a vacina, será constatada a eficácia", diz.

Já a palavra efetividade diz respeito à eficiência e deve ser utilizada para descrever os resultados da vacina após a sua aplicação na prática na população.

"Eficiência, que chamamos de efetividade, se refere mais ao mundo real, depois que aplicamos a vacina na população. Então se relaciona a quantas hospitalizações foram reduzidas, quanto diminuiu o número de casos, quantas mortes foram evitadas. Isso depende de fatores como a quantidade de doses tomadas, o número de vacinados em cada região, como foi a cobertura vacinal e qual foi o grupo alvo. A efetividade mede o impacto da vacinação", destaca.

Nesta corrida pela vacina contra o novo coronavírus, as fabricantes, a partir do último dia 18, começaram a divulgar o grau de eficácia de cada uma de suas vacinas, constatado nestes estudos que estão na terceira fase, a última antes da aplicação na população.

A farmacêutica Pfizer divulgou que a sua vacina contra a covid-19, desenvolvida em parceria com a BioNTech, tem 95% de eficácia.

Na mesma semana, a norte-americana Moderna e a chinesa Sinovac, publicaram pesquisas mostrando eficácia de 94,5% para a primeira e de 97% para a segunda.

Nesta segunda-feira (23), a Universidade de Oxford, que produz uma vacina, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, divulgou uma eficácia menor, mas também alta, que varia de 62% a 90%, em estudos feitos com mais de 20 mil pessoas. Em média, a proteção atingida é de 70%.

Vacinas diferentes, estudos semelhantes

A estrutura destas vacinas tem algumas diferenças. Na de Oxford, por exemplo, é utilizado um vetor - o adenovírus - e a aplicação é de dose única. O adenovírus vírus possui um pedaço do material genético do Sars-CoV-2 (novo coronavírus), o que leva as células do organismo a produzirem  células do nosso corpo a produzirem as chamadas espícula, os espinhos do coronavírus, que, no entanto, são utilizados como proteção contra o vírus.

Já as vacinas no modelo da CoronaVac (Sinovac), têm um modelo mais tradicional, contendo o vírus inativado, como ocorre em relação a outros tipos de gripe. As diferenças, no entanto, não interferem no momento de se medir a eficácia e a efetividade, segundo Kfouri.

"Todos os estudos que se encontram na fase 3 seguem o mesmo desenho, com uma parte dos voluntários recebendo a vacina e outra o placebo. Todos se baseiam no acompanhamento dos voluntários. A ideia é que, se a vacina funciona, caso, por exemplo, apareçam 100 casos de covid-19, quase todos eles são os que receberam o placebo".

O infectologista Hélio Arthur Bacha, da Sociedade Brasileira de Infectologia, considera que, nestes estudos, se houve, por exemplo, 95% de eficácia, significa que este percentual de volunários foram protegidos da covid-19 pela vacina, significando esse "quase todos" citado por Kfouri.

"Temos, no entanto, de ser sempre precavidos em relação a um estudo. Por outro lado, essa efetividade pode ser até melhor do que a esperada em muitos casos. Por exemplo, a medicação para o HIV prometia ser boa e se constatou depois que era muito boa. Muitas drogas se mostram efetivas na aplicação prática", ressalta.

Para Bacha, que já foi infectado pelo novo coronavírus e chegou a perder 10 kg, os índices divulgados são promissores, mesmo com a necessidade deles serem confirmados na prática.

"Para a covid-19, já se esperava que uma eficácia de 60 a 70% seria de grande contribuição. A eficácia de vacina contra a febre amarela e sarampo é de 98%. Com esse percentual, dá para se erradicar a doença", completa.

Descubra os alimentos que ajudam na prevenção do câncer de próstata

Últimas