Novo Coronavírus

Saúde Saúde rebate Pfizer e diz que Anvisa segue mesmo protocolo que EUA

Saúde rebate Pfizer e diz que Anvisa segue mesmo protocolo que EUA

Elcio Franco, secretário-executivo da pasta, se pronunciou após farmacêutica afirmar que não vai pedir uso emergencial de vacina

  • Saúde | Do R7

Laboratório Pfizer publicou uma nota afirmando que não vai pedir uso emergencial de vacina

Laboratório Pfizer publicou uma nota afirmando que não vai pedir uso emergencial de vacina

Frederic Sierakowski/EFE/EPA - 27.12.2020

Elcio Franco, secretário-executivo do Ministério da Saúde, rebateu a farmacêutica Pfizer, que na segunda-feira (28) afirmou que não pretende submeter seu imunizante contra a covid-19 para avaliação de uso emergencial no Brasil pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Segundo o representante da pasta, durante coletiva de imprensa, nesta terça-feira (29), as exigências do órgão federal são as mesmas feitas pela FDA (Food and Drug Administration) —agência que regula e libera medicamentos nos Estados Unidos. 

"Nos causou surpresa o laboratório [Pfizer], que na data de ontem veio esclarecer que estava com dificuldades pela grande quantidade de solicitações da Anvisa. Os aspectos solicitados pela Anvisa para autorização de uso emergencial são os mesmos solicitados pelo FDA, nos Estados Unidos. Nós vamos buscar um maior diálogo com o laboratório", explicou o secretário.  

Ontem, a empresa farmacêutica afirmou que não pretendia submeter sua vacina contra o novo coronavírus para avaliação de uso emergencial no Brasil. Por meio de nota oficial, a fabricante afirmou que o imunizante desenvolvido em parceria com a BioNTech será apresentado em "processo de submissão contínua", o que acredita ser "o mais célere neste momento".

A Pfizer alega que a solicitação da Anvisa para analisar em caráter emergencial os dados específicos sobre os testes realizados em 3 mil voluntários brasileiros "demanda tempo e avaliações estatísticas específicas". "Outras agências regulatórias que possuem o processo de uso emergencial analisam os dados dos estudos em sua totalidade, sem pedir um recorte para avaliação de populações específicas", diz o texto. 

Anvisa concede certificado de boas práticas à Pfizer

Anvisa concedeu a certificação de Boas Práticas de Fabricação à Pfizer

Anvisa concedeu a certificação de Boas Práticas de Fabricação à Pfizer

Toms Kalnins/EFE/EPA - 28.12.2020

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária concedeu a certificação de Boas Práticas de Fabricação às empresas que participam do processo de fabricação da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela Pfizer/Biontech.

A certificação tem validade de dois anos e é um dos requisitos da análise do registro do imunizante. De acordo com a Anvisa, a etapa é "parte dos esforços contínuos da Agência para a disponibilização de vacinas com qualidade, segurança e eficácia para a população, no menor tempo possível".

Com o certificado, a Pfizer precisaria apenas da aprovação do pedido de uso emergencial da vacina para receber chancela da Anvisa para iniciar a imunização da população. O mesmo certificado já foi concedido às fabricantes da AstraZeneca e da Sinovac.

Situação da pandemia no Brasil

O Brasil contabilizou 58.718 casos e 1.111 novas mortes por covid-19, nas últimas 24 horas, de acordo com balanço divulgado pelo Ministério da Saúde nesta terça-feira (29). Com os números atualizados pelo governo, o País alcançou a marca de 7.563.551 contaminados desde o início da pandemia do novo coronavírus.

Do total de diagnosticados, 192.681 pessoas morreram por conta da infecção. A taxa de letalidade, que é o percentual de óbitos entre os infectados, está em 2,6%. Ainda segundo a pasta, 6.647.538 já estão recuperados da doença, enquanto 723.332 pessoas permanecem em acompanhamento.

Últimas