Novo Coronavírus

Saúde Sem unidade e solidariedade, 'o pior está por vir', alerta diretor da OMS

Sem unidade e solidariedade, 'o pior está por vir', alerta diretor da OMS

Em coletiva, Tedros Adhanom pede que disputas políticas sejam deixadas de lado durante a pandemia e que vítimas sejam vistas como 'pessoas e não números'

  • Saúde | Do R7

Em coletiva, Tedros 
Adhanom pediu solidariedade aos países do mundo

Em coletiva, Tedros Adhanom pediu solidariedade aos países do mundo

Salvatore Di Nolfi / EFE - EPA - 20.4.2020

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), o etíope Tedros Adhanon, fez um novo alerta aos países em meio à pandemia do novo coronavírus. Segundo ele, se não houver solidariedade e unidade globais, "o pior ainda estará por vir".

Leia também: OMS vai distribuir 30 mi de testes de covid-19 nos próximos meses

Em entrevista coletiva nesta segunda-feira (20), ele falou sobre as tentativas de diversos países de reduzir as medidas de isolamento social adotadas ao longo dos últimos dois meses. A covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, já atingiu quase 2,5 milhões de pessoas e matou 167 mil em todo o mundo.

"Precisamos de solidariedade global, cimentada pela unidade nacional. Sem essas duas coisas, acreditem, o pior ainda está por vir. Temos condições de evitar uma tragédia ainda maior, vamos evitá-la. É um vírus que muitos ainda não compreenderam", afirmou.

Adhanom afirmou que o vírus "deve ser encarado como um inimigo da humanidade". E fez um apelo: "Vamos olhar para os que estão morrendo como pessoas, não como números ou estatísticas. Toda vida é preciosa".

Uso político e história

O etíope também criticou o uso político da pandemia. "Não usem esse vírus como uma oportunidade para lutar uns contra os outros ou obter ganhos políticos. Isso é perigoso, é como brincar com fogo. Por favor, trabalhem juntos. O problema político pode até mesmo ampliar esta pandemia", alertou.

Na coletiva, o diretor da OMS comparou o coronavírus à gripe espanhola de 1918. "Cem anos atrás, a gripe matou dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo. Agora temos tecnologia para evitar isso, evitar um desastre parecido, vamos usá-la", pediu ele.

Calma na retomada

Os representantes da OMS também pediram calma aos países que estão planejando sair do isolamento social e retomar as atividades econômicas após algum controle sobre as curvas de contágio e mortes. 

Segundo eles, os números já obtidos mostram que um percentual ainda reduzido da população mundial contraiu o vírus até o momento, o que coloca em dúvida a ideia de que casos assintomáticos poderiam ser 10 vezes maiores que o total de positivos.

"Há problemas e limitações para testar as pessoas, mas é uma proporção mais baixa do que imaginávamos. Uma grande parte da população mundial ainda pode ser contaminada. Não podemos baixar a guarda e retirar completamente o confinamento agora, pode haver novos surtos do vírus", disse a chefe do departamento de novas doenças da OMS, Maria Van Kerkhove.

Últimas