Sobe para 137 o número de mortes causadas por febre amarela em Minas

Mais de 90% das vítimas fatais são homens com idade média de 45,3 anos

Sobe para 137 o número de mortes causadas por febre amarela em Minas

Em Belo Horizonte foram criados cincos postos de vacinação extras

Em Belo Horizonte foram criados cincos postos de vacinação extras

Folha Vitória - Cidades 2

A Ses (Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais) divulgou, na tarde desta quarta-feira (29), que subiu de 123 para 137 o número de mortes confirmadas por febre amarela no Estado, neste ano. Segundo a pasta, outros 64 óbitos suspeitos ainda estão sendo investigados.

Saiba quem deve se vacinar

Até o momento, em todo o Estado, 376 doentes já tiveram diagnóstico positivo para Febre Amarela. Embora exista ocorrências em 57 cidades mineiras de todas as regiões, a maior está localizada no leste do Estado. Dos 137 pacientes que evoluíram a óbito, 90,5% são homens, com idade média de 45,3 anos. Segundo a Ses, a maioria das pessoas que tiveram casos suspeitos começaram a apresentar os sintomas entre os dias 8 e 21 de janeiro.

Até o momento, 104 municípios mineiros confirmaram morte de macacos contaminados com a doença. Em Belo Horizonte, até o momento, três primatas mortos tiveram diagnóstico positivo para febre amarela. Outras 20 notificações ainda estão sendo investigadas. A SMSA (Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte) ressalta que os macacos não transmitem a doença e, assim como os humanos, são vítimas. Ela é transmitida para humanos quando um mosquito das espécies Haemagogus e Sabathes picam as pessoas após picar um primata não humano contaminado. Desse modo, a morte de macacos é um indicador importante de possíveis áreas de proliferação às quais o poder público deve voltar as atenções. Em ambiente urbano, a doença também pode ser transmitida pelo Aedes aegypti - o que até o momento não há relatos em Minas Gerais.

Acompanhe a cobertura de surto de febre amarela no Brasil

A Prefeitura de BH informou que está executando todas as medidas necessárias para proteger a população e minimizar o risco de transmissão da febre amarela. Entre as ações, está a aplicação de inseticidas (conhecido como fumacê), em áreas de risco, a ampliação de postos e horários de vacinação e trabalhos de conscientização com a população. Até o momento, 556 mil pessoas receberam a vacina contra a Febre Amarela em Belo Horizonte.

Cinco centros de vacinação extras foram criados na capital e estão funcionando com horário estendido. Saiba onde ficam eles:

- PA Centro Sul
Rua Domingos Vieira, 484 – Santa Efigênia
Segunda a sexta-feira, das 7h30 às 20h30

- Serviço de Atenção ao Viajante
Rua Paraíba, 890 – Savassi
Segunda a sexta-feira, das 9h às 12h / 13 às 20h30

- UPA Venda Nova
Rua Padre Pedro Pinto, 175 – Venda Nova
Segunda a sexta-feira, das 7h30 às 20h30

- CEREST Barreiro
Rua Pinheiro Chagas, 125 – Barreiro
Segunda a sexta-feira, das 8 h às 20h30

- Centro de Saúde Noraldino de Lima
Avenida Amazonas, 4373 – Nova Suíça
Segunda a sexta-feira, das 9h às 20h30