Novo Coronavírus

Saúde Spray nasal testado em furões pode reduzir reprodução da covid-19

Spray nasal testado em furões pode reduzir reprodução da covid-19

Um estudo mostrou que o INNA-051 diminuiu os níveis do coronavírus em até 96%, diz empresa; remédio poderá ser complemento de vacinas

  • Saúde | Da EFE

O spray nasal INNA-051 poderá ser usado como terapia antiviral preventiva

O spray nasal INNA-051 poderá ser usado como terapia antiviral preventiva

Flickr

Um spray nasal desenvolvido para estimular o sistema imunológico contra resfriados e gripes mostrou em testes pré-clínicos que pode retardar a reprodução viral da covid-19, conforme revelou nesta segunda-feira (28) a empresa australiana de biotecnologia que investiga seu uso.

A Ena Respiratory, que desenvolve este produto denominado INNA-051, indicou em comunicado que os testes realizados com furões, coordenados pelo subdiretor de Saúde Pública da Inglaterra, Miles Carroll, revelaram uma eficácia de 96%.

Leia também: Vamos ter que aprender a conviver com o coronavírus?

A empresa australiana também indicou que o estudo, publicado hoje no site portal de pesquisas biomédicas bioRxiv, forneceu provas de que a molécula sintética INNA-051 pode ser utilizada como método de terapia antiviral preventiva, além de complementar os programas de vacinação.

O diretor administrativo da Ena Respiratory, Christophe Demaison, disse que as pessoas expostas ao novo coronavírus "têm grande probabilidade de eliminá-lo rapidamente com o tratamento, garantindo que a doença não se desenvolva para além dos sintomas moderados".

Além de beneficiar as pessoas mais vulneráveis, esse spray, que seria aplicado uma ou duas vezes por semana, também evitaria que pessoas infectadas transmitissem a doença para outras, acrescentou o executivo da empresa, esperando que os testes clínicos comecem em menos de quatro meses.

A Ena Respiratory informou que obteve cerca de 11,7 milhões de dólares australianos (cerca de R$ 45,7 milhões) de investidores locais para continuar o trabalho, enquanto aguarda o progresso nos estudos de toxicidade e a concessão de licenças.

Últimas