Coronavírus

Saúde Tire suas dúvidas sobre a terceira dose da vacina contra covid-19

Tire suas dúvidas sobre a terceira dose da vacina contra covid-19

A dose extra autorizada pelo Ministério da Saúde gerou questões como se é permitido escolher vacina e se dose diferente é indicada

  • Saúde | Carla Canteras, do R7

Idosos e pessoas com problemas no sistema imune são prioridade na 3ª dose

Idosos e pessoas com problemas no sistema imune são prioridade na 3ª dose

Divulgação/Hully Paiva/Prefeitura de Curitiba

A aplicação da terceira dose da vacina contra a covid-19 é fundamental para controlar a pandemia no país e manter em queda os números de mortes e novos casos da doença, segundo especialistas ouvidos pelo R7.

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga definiu que a dose extra começará a ser aplicada pelos municípios a partir de 15 de setembro, porém alguns estados anteciparam as aplicações. Mas, ainda persistem muitas dúvidas sobre a imunização. O R7 entrevistou infectologistas e imunologistas e responde aqui algumas dessas questões:

Quem pode ser imunizado com a terceira dose?

De acordo com o Ministério da Saúde, neste momento, as vacinas estarão disponíveis para idosos a partir dos 70 anos e pessoas imunodeprimidas, aquelas que apresentam alguma deficiência no sistema imunológico. Em São Paulo, a aplicação está programada também para quem tem mais de 60 anos. 

No caso dos idosos, a indicação é a partir de seis meses da imunização completa. Já o grupo com problemas no sistema imune está autorizado a receber a terceira dose a partir de 28 dias do esquema vacinal completo (duas doses ou vacina de dose única).  

Por que somente idosos e imunodeprimidos receberão a imunização?

O infectologista Renato Kfouri, membro da diretoria da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações) e da Câmara Técnica do PNI (Programa Nacional de Imunizações), explica:

"Os dados são inequívocos mostrando uma perda de proteção dos indivíduos com mais de 70 anos com o passar do tempo. Para estes, vai ser oferecida uma dose de reforço seis meses após a segunda dose. E outro conceito, que não é de reforço, é de terceira dose, são grupos que respondem mal ao esquema de duas doses. Para os imunocomprometidos graves, nós definimos dar uma terceira dose com intervalo de 28 dias depois da segunda dose para aumentar a proteção", afirma o infectologista.

Confira o mapa da vacinação do Brasil em tempo real!

Por que é importante receber mais uma dose da proteção contra a covid-19?

A imunologista Brianna Nicoletti, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, aponta dois fatores importantes: o surgimento de variantes e o controle da transmissão do vírus. "O ideal seria que todos tomássemos a vacina de uma única vez e, isso, diminuiria a transmissão. Como não conseguimos fazer isso, afinal estamos em uma pandemia e há um tempo para produção, aprovação e distribuição de vacinas, a transmissibilidade continuou grande e apareceram as novas cepas. A terceira dose vem como tentativa de melhorar a resposta imunológica e o alcance da proteção contra as diferentes cepas do vírus", diz a médica.

Todas as vacinas aplicadas no Brasil têm queda de proteção a partir de seis meses?

“Acima dos 80 anos de idade, existe uma redução do fator imunoprotetor independentemente de qual é a vacina utilizada, ou seja, qualquer imunizante, tanto imunizantes inativados, vetor viral, vacina de RNA mensageiro. Todas as vacinas têm esse perfil. A vacina tem o fator de prevenir forma grave da doença e óbito e isso estamos conseguindo com todas as vacinas”, ressalta Sérgio Cimerman, infectologista do Hospital Emílio Ribas, em São Paulo.

Será possível escolher qual vacina tomar na terceira dose?

Não será possível escolher. O Ministério da Saúde indicou que seja aplicada a vacina da Pfizer mas, caso não esteja disponível, podem ser usadas a AstraZeneca ou a Janssen. Em São Paulo, a CoronaVac também será incluída no esquema. 

Por que o Ministério da Saúde escolheu a Pfizer?

"Porque é a vacina que, para essa população mais vulnerável, gera uma resposta imune melhor. Não há dúvidas que essas vacinas de RNA mensageiro têm um comportamento em termos de resposta imune muito superior a qualquer outra licenciada", observou Kfouri.

Se a terceira dose não for da Pfizer, terá efeito também?

"Qualquer que seja o esquema feito, há o benefício da terceira dose. O benefício é inequívoco. Do ponto de visto de saúde pública essa é a importância nesse momento”, observa o infectologista Marco Aurélio Safadi.

Vai ter Pfizer para todo mundo, já que é a única autorizada pela Anvisa para adolescentes e ainda terá que ser disponibilizada para quem ainda não tomou a segunda dose?

De acordo com o cronograma do Ministério da Saúde, até o fim do ano, o Brasil receberá 200 milhões de doses da farmacêutica. Sendo que em setembro a previsão é de 44.531.370 doses. Queiroga garante a entrega, desde que os estados e municípios respeitem o cronograma do PNI (Plano Nacional de Imunizações). 

"Se cada um dos 5.580 prefeitos do Brasil quiser inventar um esquema próprio, ele vai ter de conseguir suas próprias doses. O Ministério da Saúde não tem compromisso de fornecer doses para completar esquemas e cronogramas que não foram definidos pelo PNI", afirmou o ministro da saúde em entrevista coletiva à imprensa no dia 25 de agosto. 

É melhor que a terceira dose seja da mesma vacina já recebida no esquema completo ou é melhor que seja diferente?

"Dentro de um cenário em que podemos escolher, imunologicamente falando, faz mais sentido que seja uma vacina de técnica diferente da que a pessoa já tenha tomado. A intenção é tentar aumentar alcance da eficácia da vacina e da proteção. A grande maioria das pessoas aqui tomou CoronaVac ou a AstraZeneca. Diante disso, as vacinas com fragmentos de RNA, que são Pfizer e Moderna, cairiam muito bem como uma terceira dose de vacina", afirma a imunologista Brianna Nicoletti.

Os seis meses para tomar a terceira dose conta a partir da primeira ou da segunda dose?

A imunologista explica: "Os seis meses contam a partir da data da segunda dose. Todos os procedimentos de primeira, segunda ou terceira são baseados em estudos de reforço imunológico no processo de imunização, variando de acordo com a metodologia da vacina."

Por que só São Paulo vai usar a CoronaVac como terceira dose?

O coordenador do comitê científico que assessora o governo de São Paulo, João Gabbardo, ressaltou, durante entrevista coletiva à imprensa na quarta-feira (1º) que usar o imunizante produzido pelo Instituto Butantan vai possibilitar que os outros sejam usados para acelerar a aplicação em outros públicos. 

"Havendo disponibilidade CoronaVac, nós teremos mais Pfizer para antecipar a segunda dose das pessoas que já fizeram a primeira e estão aguardando o esquema de vacinação. Poderemos, também, incluir o grupo dos trabalhadores da área da saúde na terceira dose e também ampliar o grupo de idosos. Outra vantagem é continuar com a vacinação entre os adolescentes, o risco de casos graves é pequeno, mas eles aumentam a transmissibilidade, e isso diminui a possibilidade de pessoas com mais riscos serem infectados", afirmou. 

Na mesma coletiva, o infectologista Jean Gorinchteyn, secretário estadual de saúde de São Paulo, informou que pediu ao Ministério da Saúde a inclusão da CoronaVac como opção para a terceira dose. "Estamos oficiando o Ministério da Saúde para que a CoronaVac seja também inserida nessa plataforma de imunização com a terceira dose. Não é correto, não é justo, não é ético que tenhamos os dispositivos de vacina e esses dispositivos não sejam utilizados na sua plenitude", afirmou Gorinchteyn.

É seguro receber mais uma dose da vacina contra a covid? Não é muita coisa?

"Receber mais uma dose de vacina contra a covid-19 não aumenta as chances de reações adversas, alergias. Pelo contrário, a cada contato que temos com o vírus, ou pelo processo de imunização, ou mesmo pela infecção com a doença, o nosso sistema imunológico vai ganhando força para diminuir a possibilidade do contágio, ou a infecção mais branda", explica Brianna.

Últimas