Tragédia no Flamengo
Saúde Tratamento de vítimas do CT do Flamengo deverá ser longo

Tratamento de vítimas do CT do Flamengo deverá ser longo

Sobreviventes terão de fazer acompanhamentos psicológico e pneumológico; jovem com queimadura deve ter atenção contra infecções

Atenção médica às vítimas do incêndio no CT do Flamengo deverá ser extensa

Sobreviventes podem ter danos pulmonares, dermatológicos e psicológicos

Sobreviventes podem ter danos pulmonares, dermatológicos e psicológicos

Tomaz Silva/Agência Brasil

Os adolescentes sobreviventes do incêndio que afetou o centro de treinamento do Flamengo, no Rio de Janeiro, na manhã desta sexta-feira (8), podem apresentar, segundo especialistas, danos na saúde pulmonar, dermatológica e pneumologista, além de possíveis traumas psicológicos que devem exigir acompanhamento.

Leia também: Flamengo dá suporte psicológico a jogador que escapou de incêndio

Por terem inalado bastante fumaça, os garotos podem ter sequelas e, pelo trato respiratório ter sofrido queimaduras por conta do calor, as cicatrizes no pulmão podem provocar falta de ar por conta da inflamação no órgão, afirma o pneumologista André Nathan, do Hospital Sírio-Libanês.

Saiba mais: Falta de ar? Saiba quais são as doenças associadas a essa sensação

O pneumologista Silvio Cardenuto, diretor clínico do Hospital Santa Isabel, ressalta que os garotos devem ficar sob obvservação por pelo menos cinco dias, merecendo atenção a qualquer tosse, chiado ou dificuldade para respirar. Pela inalação da fumaça, é possível que os pulmões tenham tido grande sangramento, possibilitando problemas como uma fibrose pulmonar, o que diminuiria a capacidade respiratória.

Segundo o dermatologista Caio Lamunier, do Hospital das Clínicas de São Paulo, o estado do jogador Jonathan Cruz Ventura, 15, que teve cerca de 30% a 35% do corpo queimado, é grave. "A partir de 15% de queimadura corporal o paciente já precisa de cuidados intensivos", afirma. 

Veja também: Aumenta o número de crianças vítimas de queimaduras

Lamunier afirma que, além da dor, desidratação e inflamação, que pode comprometer o funcionamento de outros órgãos, a principal preocupação no momento é quanto a uma possível infecção, já que a pele, principal defesa do corpo, foi comprometida. Essa pele, já morta, deve ser removida cirurgicamente para que não sirva de alimento para bactérias.

Após a cirurgia para a retirada dos tecidos mortos, o paciente é submetido a uma cirurgia plástica e precisa de curativos específicos para queimaduras. A cicatrização total pode levar meses, mas, o dermatologista afirma que, por ser jovem, a chance de recuperação é melhor.

Saiba mais: Xixi na queimadura de água-viva? Veja os cuidados na hora da praia

À longo prazo, as queimaduras podem trazer complicações, dependendo muito da área e do grau de queimadura. As cicatrizes, quando são no rosto, podem causar cegueira e dificuldade para comer. No caso dos membros atingidos, a queimadura pode afetar o movimento de braços e pernas.

Tratamento de possíveis traumas

De acordo com o psiquiatra Antônio Geraldo da Silva, presidente da APAL (Associação Psiquiátrica da América Latina), o acidente poderá afetar a saúde psicológica não só dos meninos sobreviventes, como de seus familiares, causando um transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). O ocorrido pode, ainda, afetar a decisão, tanto dos meninos, quanto de seus familiares, de continuarem a carreira no futebol.

O psiquiatra Henrique Bottura,  do HCFMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), afirma que outro meio que o corpo pode ter para proteger aquela pessoa do momento passado é uma amnésia lacunar, casos em que o paciente esquece totalmente do momento vivido.Para ambos os casos, Bottura afirma que as vítimas precisarão fazer acompanhamento psicológico especializado.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Ingrid Alfaya

Veja quem são as vítimas da tragédia no CT do Flamengo:

    Access log