Usar sapatos dentro da casa pode aumentar risco de contaminação?

Pandemia do coronavírus fez muitas famílias mudarem hábitos para preservar a saúde. Entre elas, higienização das compras de supermercado e roupas

Sapatos que circularam em ambiente hospitalar devem ser higienizados

Sapatos que circularam em ambiente hospitalar devem ser higienizados

Pixabay

Entrar em casa vestindo os sapatos que usou ao caminhar pelas ruas, transporte público ou trabalho já dividia opiniões antes mesmo do começo da pandemia do coronavírus.

Leia mais: Ocupação de UTIs determinará lockdown em SP, diz governo

Agora que todo o cuidado é pouco para evitar a contaminação e que estamos higienizando praticamente tudo – compras de supermercado, roupas, sacolas e mãos para citarmos alguns – antes de entrarmos em nosso lar, retirar os calçados é praticamente consenso no Brasil e no mundo.

Leia também: Entenda o que é lockdown e quando é necessário adotar essa medida

"Apesar desse cuidado e de sabermos que alguns vírus e bactérias podem ser levados para dentro de casa por meio dos sapatos, é pouco provável que o coronavírus entre desta forma", diz Felipe Medeiros, médico residente em infectologia do HC (Hospital das Clínicas) de São Paulo.

“O coronavírus é um vírus que não sobrevive durante muito tempo em um ambiente aberto e o contato com o sol, por isso essa forma de contaminação é pouco provável."
Felipe Medeiros

Medeiros afirma, no entanto, que sapatos utilizados em ambientes hospitalares podem conter sim o coronavírus.

“Nesses casos eu não recomendo que se entre em casa com os sapatos porque o vírus pode estar alojado em alguma parte. Eu mesmo não levo os calçados que uso no hospital para minha residência.”

Leia mais: 'É uma grande ameaça’: situação de pandemia no Brasil gera temor em vizinhos na América do Sul

O médico afirma que os calçados que passaram por um ambiente hospitalar precisam ser higienizados com água sanitária ou outro produto de desinfecção e isolados durante dois dias.

“O coronavírus pode sobreviver até 72 horas em uma superfície de plástico e de até 48 horas num papel”, explica Medeiros.

O médico ainda destaca que se uma pessoa tossir em um ambiente fechado, o coronavírus pode permanecer até três horas no local.

“Por isso é importante manter o ambiente sempre aberto para o ar circular.”