Novo Coronavírus

Saúde Vacina do Butantan: Entenda a CoronaVac de ponto a ponto

Vacina do Butantan: Entenda a CoronaVac de ponto a ponto

Instituto Butantan pediu autorização de uso emergencial da vacina contra a covid-19, que apresentou 78% de eficácia

  • Saúde | Do R7

Resumindo a Notícia

  • CoronaVac foi desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac e será produzida pelo Butantan
  • O primeiro pedido de uso emergencial de vacina do país foi realizado pelo Butantan
  • Trata-se de uma vacina tradicional, feita com vírus morto, como a da gripe
  • Nos testes no Brasil, a CoronaVac apresentou 78% de eficácia
Butantan pediu aval para o uso emergencial da CoronaVac

Butantan pediu aval para o uso emergencial da CoronaVac

Roman Pilipey/EFE/EPA - 26.08.2020

O Instituto Butantan pediu nesta sexta-feira (8) à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) a autorização de uso emergencial da CoronaVac no país, vacina desenvolvida pela empresa biofarmacêutica chinesa Sinovac Biotech contra a covid-19.

No Brasil, o imunizante será produzido pelo Instituto Butantan, em São Paulo. 

A previsão é que o estado de São Paulo inicie a vacinação no dia 25. De acordo com o governo, a primeira fase do plano de imunização, destinada aos grupos prioritários prevê 18 milhões de doses de vacina.

Eficácia e segurança

Após ter sido adiada duas vezes, a divulgação dos resultados de fase 3 — a última de testes em humanos — aconteceu nesta quinta-feira (7) em entrevista coletiva.

Segundo o Butantan, o imunizante foi capaz de prevenir em 100% casos graves e moderados de covid-19 nos voluntários que participaram dos testes.

Apenas 22% desenvolveram formas leves da infecção pelo coronavírus, o que aponta uma taxa de eficácia de 78%. 

A taxa de voluntários vacinados que contraíram a covid-19 não foi divulgada, portanto, a eficácia da vacina para evitar a doença ainda é desconhecida.

Na Turquia, dados preliminares de um teste em estágio final apontaram que o imunizante oferece 91,25% de proteção contra a covid-19.

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, ressaltou que a taxa de eficácia do estudo no Brasil pode ter sido diferente porque os testes foram feitos apenas em profissionais da saúde, que são um grupo considerado de alto risco pela exposição permanente ao vírus.

De acordo com ele, na Turquia e Indonésia, o imunizante foi testado na população em geral, que pode não estar tão vulnerável à infecção. 

O ponto mais comemorado pelos médicos que participaram da entrevista foi o fato de a CoronaVac evitar hospitalizações.

O principal motivo do fechamento de atividades econômicas nesta pandemia foi, justamente, a sobrecarga de pacientes no sistema de saúde. 

Paralisação dos testes

Em novembro, a Anvisa paralisou os estudos com a vacina após a morte de um voluntário. O ato levou a um embate entre o órgão e o instituto Butantan. Mas os testes foram retomados após a conclusão de que o óbito não teve nehuma relação com a aplicação do imunizante.

No Brasil, a fase 3 - última de testes em humanos - envolve 13.060 participantes, de acordo com a Anvisa. Os estudos acontecem no Distrito Federal e em 5 estados: São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Paraná.

Vantagens

 - O Governo de São Paulo já tem acordo fechado com a Sinovac por meio do Instituto Butantan, para o fornecimento de doses prontas e transferência de tecnologia para a produção em território nacional. Já há 8 milhões de doses em território nacional, segundo anunciado pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em entrevista coletiva à imprensa em dezembro

-- O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quinta-feira (7) que assinou um acordo com o Instituto Butantan para a compra de totalidade da produção da CoronaVac, que sera usada em todo o SUS

 - Conhecimento e confiabilidade: a ciência já trabalha há muito tempo com vacinas de vírus inativados, por isso já´tem domínio sobre como produzi-las e não será surpreendida por eventuais problemas que venham a acontecer

Desvantagens

- Fabricação é mais demorada e requer uma planta industrial mais equipada

- Formulação não rende muito em doses por litro

Tecnologia usada

undefined

A tecnologia utilizada pela CoronaVac é a de vírus inativado. Isso significa que a vacina tem em sua composição o novo coronavírus morto a partir de processos físicos e químicos. Assim, o vírus não consegue se replicar, mas sua presença no organismo faz com que o sistema imunológico reaja. Essa técnica é tradicional, usada, por exemplo, nos imunizantes contra a gripe e hepatite A.

Últimas