Vírus que infectou centenas na China chega aos Estados Unidos

Homem é morador do estado de Washington e havia viajado recentemente à cidade de Wuhan, onde surto teve início

Aeroportos usam escaneamento de temperatura

Aeroportos usam escaneamento de temperatura

Reuters

Um homem que viajou da China para os Estados Unidos recentemente foi diagnosticado como o novo vírus que já infectou mais de 300 pessoas em território chinês e deixou ao menos seis mortos.

A informação foi confirmada na tarde desta terça-feira (21) por representantes dos CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças).

Trata-se de um homem morador do estado de Washington, na costa oeste do país, que viajou recentemente à cidade de Wuhan, onde o vírus começou a circular. Ele está em isolamento no Providence Regional Medical Center e o estado de saúde dele é estável. 

As autoridades de saúde dos Estados Unidos agora estão rastreando todas as pessoas que tiveram contato com o homem infectado para determinar o grau de risco que existe.

Segundo os CDC, já se sabe que o vírus é transmitido entre humanos, mas não tão facilmente como a gripe ou o sarampo, por exemplo.

Desde o fim de semana, três grandes aeroportos dos EUA — Los Angeles, São Francisco e Nova York — escaneiam a temperatura de pacientes procedentes da China. A informação, no entanto, é que o homem havia viajado antes do início desses procedimentos.

Nesta semana, os aeroportos de Atlanta e Chicago também vão começar essa checagem de passageiros. 

O objetivo é verificar se pacientes com febre (um dos sintomas da doença provocada pelo vírus) desembarcam. Caso haja suspeita, eles são imediatamente levados para exames adicionais.

O novo tipo de coronavírus descoberto na China provoca sintomas semelhantes ao de uma gripe forte e pneumonia.

Especialistas avaliam que ele é menos mortal do que o SARS e o MERS, doenças semelhantes provocadas por outros tipos de coronavírus e que tiveram surtos nos anos 2000.

Nos últimos dias, pessoas que haviam viajado a Wuhan adoeceram na Tailândia, Japão e Coreia do Norte, além de outras partes da China.