Coronavírus

Saúde 'Você não é uma vaca', diz FDA ao contraindicar ivermectina

'Você não é uma vaca', diz FDA ao contraindicar ivermectina

Agência regulatória de medicamentos dos EUA alerta para pessoas buscando versões veterinárias do remédio para tratar covid

  • Saúde | Do R7

Até mesmo versões para humanos são contraindicadas para infecção pelo coronavírus

Até mesmo versões para humanos são contraindicadas para infecção pelo coronavírus

Divulgação/Merck Sharp & Dohme

A FDA (Agência de Medicamentos e Alimentos dos Estados Unidos) resolveu ser um pouco mais incisiva ao contraindicar a ivermectina para o tratamento de covid-19.

Em uma publicação nas redes sociais, a agência reguladora compartilhou um artigo explicativo sobre o medicamento com a seguinte frase: "Você não é um cavalo. Você não é uma vaca. Sério, todos. Parem com isso."

"Parece haver um interesse crescente em uma droga chamada ivermectina para tratar humanos com covid-19. A ivermectina é frequentemente usada nos Estados Unidos para tratar ou prevenir parasitas em animais. A FDA recebeu vários relatórios de pacientes que necessitaram de suporte médico e foram hospitalizados após se automedicarem com ivermectina destinada a cavalos", diz nota da agência, ressaltando que não há aprovação desta droga para o tratamento de covid-19.

A ivermectina é um antiparasitário autorizado para doenças muito específicas, como piolho e sarna.

No ano passado, aqui no Brasil, também foram registrados casos de pessoas que buscavam ivermectina em lojas de produtos agropecuários para o uso em pacientes com covid-19.

"É importante observar que esses produtos são diferentes daqueles para pessoas e seguros quando usados ​​conforme prescrito apenas para animais", salienta a FDA.

Nos EUA, o medicamento requer prescrição médica, o que justificaria a busca irresponsável por versões de uso veterinário.

Mas mesmo a ivermectina aprovada para adultos não tem qualquer efeito benéfico contra a covid-19.

Um grande estudo publicado na mais importante revista de infectologia, a Clinical Infectious Diseases, da Oxford University Press, concluiu por meio do mais alto nível de evidência científica que a ivermectina é inútil para a infecção pelo coronavírus.

Os autores concluíram que "em comparação com tratamento padrão ou placebo, a ivermectina não reduziu todas as causas de mortalidade, tempo de internação ou depuração viral em estudos controlados por placebo em pacientes com covid-19, principalmente com doença leve". E acrescenta: "ivermectina não é uma opção viável para tratar pacientes com covid-19".

Como todo medicamento, a ivermectina tem efeitos colaterais. A FDA alerta para eles.

"Até mesmo os níveis de ivermectina para usos aprovados podem interagir com outros medicamentos, como anticoagulantes. Também pode haver uma superdosagem com ivermectina, que pode causar náuseas, vómitos, diarreia, hipotensão (tensão arterial baixa), reações alérgicas (comichão e urticária), tonturas, ataxia (problemas de equilíbrio), convulsões, coma e até morte."

O medicamento, quando usado em excesso, também é hepatotóxico, podendo causar lesões irreversíveis no fígado.

Já houve casos de pessoas que fizeram uso indiscriminado de ivermectina no Brasil e precisaram entrar na fila de transplante de fígado.

Últimas