Notícias SP só vai reduzir intervalo da vacina se receber mais doses, diz secretário

SP só vai reduzir intervalo da vacina se receber mais doses, diz secretário

Agência Estado

Para atender a orientação do Ministério da Saúde e reduzir o intervalo entre as doses da vacina contra a covid-19, o Estado de São Paulo precisa ter mais imunizantes em estoque, disse o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, em coletiva de imprensa nesta quarta-feira, 15. Gorinchteyn afirmou que no momento não há vacinas suficientes para diminuir o tempo entre as aplicações de 12 para oito semanas e aguarda novas remessas.

Desde a última semana, o estoque da vacina da AstraZeneca está muito baixo no Estado. Para evitar prejuízos à imunização, São Paulo está aplicando uma segunda dose de Pfizer em quem recebeu a primeira de AstraZeneca. Segundo Regiane de Paula, coordenadora do Programa Estadual de Imunizações (PEI), um novo lote de AstraZeneca chegou a São Paulo nesta quarta para completar a imunização de pessoas entre 50 e 59 anos. Regiane disse que espera receber todas as segundas doses necessárias até o início da próxima semana.

Até o momento, 80% da população de São Paulo já recebeu ao menos uma dose da vacina contra a covid-19 e 47% está com a imunização completa. Entre os adultos, a adesão foi massiva: 97,4% dos adultos tomaram a primeira dose e 62% já receberam as duas. De acordo com o Estado, 100% das pessoas com 65 anos ou mais já estão totalmente vacinadas contra a covid-19.

Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, citou dados do Ministério da Saúde para ilustrar a eficácia das vacinas. Segundo Covas, o número de mortes entre pessoas com 70 anos ou mais caiu 88% no Brasil entre março e agosto deste ano. "A maior parte dos idosos nessa faixa etária tomou Coronavac", disse. A vacina é fabricada pelo instituto que ele comanda.

Covas disse ainda que o Butantan entregou mais 5,1 milhões de doses da Coronavac ao Ministério da Saúde nesta quarta. Com o novo lote, o instituto conclui a distribuição das 100 milhões de doses compradas pelo governo federal. Parte dessas doses foi suspensa pela Anvisa por problemas com a fábrica chinesa onde o imunizante foi feito. O Butantan se comprometeu a substituir esses imunizantes por doses fabricadas em um laboratório da farmacêutica chinesa Sinovac já inspecionado pela agência reguladora.

Ainda sobre a Coronavac, Dimas Covas disse esperar que o uso da Coronavac seja ampliado para públicos mais jovens. "Crianças estão sendo vacinadas no Chile, na África do Sul e na Indonésia. Em breve, esperamos vacinar crianças aqui também", afirmou.

Números em queda

Gorinchteyn apresentou os dados de casos, óbitos e internações por covid-19. O secretário afirmou que houve uma queda de 70,5% no número de casos no Estado em relação à semana anterior. Este número pode não refletir a realidade porque São Paulo enfrenta dificuldades para incluir novos casos de covid-19 na plataforma do SUS.

O número de internados permaneceu praticamente estável, passando de 639 na semana anterior para 641 nesta semana. Já o número de mortes, que também pode estar enviesado em razão dos problemas na plataforma do SUS, caiu 35% entre a semana passada e esta semana.

Até o momento, São Paulo já registrou 4.302.511 casos de covid-19 e 147.641 mortes em decorrência da doença. A ocupação dos leitos de UTI é de 32,86% no Estado e 38,65% na região metropolitana.

Últimas