Astronomia

Tecnologia e Ciência Chuva de meteoros explosivos pode ser observada nos próximos dias

Chuva de meteoros explosivos pode ser observada nos próximos dias

Alpha Capricorniids é um fenômeno atípico que deixa rastros luminosos no céu seguidos por um momento brilho intenso

Registro de um meteoro explosivo oriundo da Alpha Capricorniids em 2020

Registro de um meteoro explosivo oriundo da Alpha Capricorniids em 2020

Thiago Boesing / Bramon - 2020

A chuva de meteoros Alpha Capricorniids pode ser observada até os primeiros dias de agosto em todo o Brasil. Assim como a Delta Aquariidis, não existe um dia de pico e, durante vários dias, é possível ver até cinco meteoros por hora. A particularidade do fenômeno é que os rastros de luz no céu são acompanhados de pequenas explosões, o que torna a observação muito mais interessante.

Segundo o diretor técnico da Bramon (Rede Brasileira de Meteoros), Marcelo Zurita, a Alpha Capricorniids é provocada pelos fragmentos deixados no espaço pelo cometa 169P/NEAT, descoberto em 2002. Os detritos que se desprendem do astro a cada vez que ele passa perto do Sol são mais densos em comparação com outros cometas, o que explicaria a formação dos meteoros explosivos.

"No caso da Delta Aquaridiis, bem como da maioria das chuvas de meteoros, o observador consegue enxergar um risco luminoso no céu com brilho quase que constante. Já no caso da Alpha Capricorniids, a vista é de um risco luminoso seguido por um momento súbito de brilho", afirma.

A foto abaixo mostra um meteoro explosivo da Alpha Capricorniids que cruzou o céu de Taquara, no Rio Grande do Sul, na madrugada do dia 28 para o dia 29 de julho. O registro foi feito pelo astrônomo Carlos Jung, do Observatório Heller&Jung e colaborador da Bramon.

Meteoro que iluminou o céu de Taquara, no Rio Grande do Sul, nesta madrugada

Meteoro que iluminou o céu de Taquara, no Rio Grande do Sul, nesta madrugada

Carlos Jung / Bramon - 29.07.2021

Eventualmente, surgirão no céu alguns bólidos, ou seja, meteoros que têm mais luminosidade do que o planeta Vênus e que terminam com uma explosão, segundo a definição da Organização Internacional de Meteoros.

Zurita ressalta que, apesar de a Alpha Capricorniids ser uma chuva de baixa intensidade, a Bramon tem registrado uma atividade atípica desde o início do mês. Um dos colaboradores da rede chegou a identificar 80 meteoros desse tipo em uma única noite, o que indicaria não ter relação com a chuva. Algumas pessoas podem, então, flagrar alguns meteoros esporádicos cruzando o céu. 

Como observar?

O melhor horário para acompanhar será entre meia noite e meia noite e meia, quando a Constelação de Capricórnio já estará bem alta no céu e a Lua ainda não nasceu. Atualmente, o satélite natural da Terra está com 75% de seu brilho aparente, o que ofusca um pouco a visualização.

"Para contemplar o fenômeno, basta se deslocar para um lugar afastado das luzes da cidade, como um sítio ou uma chácara, e reclinar-se de modo a ter o maior campo de visão possível. Apesar de o radiante da chuva ser a estrela Alpha Capricorni, na Constelação de Capricórnio — o que significa que todos os meteoros parecem se originar deste ponto, aos olhos do observador —, a orientação é olhar para o céu em todas as direções", diz.

Alpha Capricorniids ou meteoro esporádico?

De acordo com o diretor da Bramon, para identificar se o meteoro visto se trata de um a Alpha Capricorniids ou um meteoro esporádico, basta ter como referência o planeta Júpiter — que, este ano, coincidentemente, está próximo no céu da estrela Alpha Capricorni.

Uma dica para localizar o planeta no céu é utilizar aplicativos astronômicos de simulação do céu, no qual a câmera do celular identifica planetas e constelações no céu. Outra alternativa, mais simples, é procurar pelo corpo celeste mais brilhante no céu.

Feito isso, o próximo passo é imaginar uma linha no céu partindo desse ponto específico. Se o meteoro cruzar essa linha, trata-se de um astro oriundo da Alpha Capricorniids. Caso contrário, é um meteoro esporádico.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Pablo Marques

Últimas