Ciência

Tecnologia e Ciência Cientistas descobrem por acidente bactéria que come metal

Cientistas descobrem por acidente bactéria que come metal

Pesquisadores do California Institute of Technology, nos EUA, identificaram microrganismo que usa a oxidação do manganês como fonte de energia

Bactéria descoberta por pesquisadores dos EUA se alimenta de manganês

Bactéria descoberta por pesquisadores dos EUA se alimenta de manganês

Hang Yu / Caltech

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia, nos EUA, publicaram na revista Nature um estudo que comprovou a existência de uma bactérias comedoras de metal. 

Anteriormente, estudiosos sabiam de bactérias e fungos que poderiam oxidar o manganês ou remover elétrons. No entanto, existiam especulações sobre um microrganismo que poderia ser capaz de aproveitar esse processo para impulsionar seu crescimento.

"Essas são as primeiras bactérias encontradas a usar manganês como fonte de energia", diz Jared Leadbetter, professor de microbiologia ambiental do Instituto de Tecnologia da Califórnia.

A Leadbetter descobriu a bactéria Candidatus Manganitrophus noduliformans por acaso, após deixar um pote de vidro com uma espécie de giz de manganês embebido em água da torneira por vários meses, durante uma viagem a trabalho. Quando retornou do período em que ficou fora, o frasco estava coberto por um material escuro.

Vários série de testes foram realizados e os pesquisadores concluíram que o revestimento preto era manganês oxidado gerado por bactérias que provavelmente tinham vindo da própria água da torneira.

"Há evidências de que parentes dessas criaturas residem nas águas subterrâneas, e uma parte da água potável de Pasadena é bombeada de aquíferos locais", diz Leadbetter.

A descoberta pode ajudar a entender melhor a geoquímica das águas subterrâneas. Sabe-se que as bactérias podem degradar poluentes nessas águas, um processo chamado biorremediação.

O estudo também revela que as bactérias podem usar manganês para converter dióxido de carbono em biomassa, um processo chamado quimiossíntese. 

Assista também:

Cientistas austríacos fazem planta de 32 mil anos voltar a florescer
 

Últimas