Facebook
Tecnologia e Ciência Dono do Facebook participa de jantar com senadores dos EUA

Dono do Facebook participa de jantar com senadores dos EUA

Empresa está sendo criticada em várias frentes há mais de um ano e enfrenta investigações antitruste da Comissão Federal de Comércio

Facebook

Presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg

Presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg

REUTERS/Stephen Lam/Reuters - 30.04.2019

O presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, se reuniu com seis senadores norte-americanos na quarta-feira (18) para jantar, conforme a empresa busca melhorar sua reputação em Washington.

A gigante de mídia social está sendo criticada em várias frentes há mais de um ano e enfrenta investigações antitruste da Comissão Federal de Comércio e de vários procuradores-gerais do Estado, além de inúmeras propostas legislativas que buscam restringir sua operação.

O senador Mark Warner, democrata e vice-presidente do Comitê de Inteligência, ajudou a organizar um jantar para Zuckerberg com outros senadores a pedido da empresa, disse a porta-voz de Warner, Rachel Cohen.

Em um restaurante, os senadores e Zuckerberg discutiram "o papel e a responsabilidade das plataformas de mídia social na proteção de nossa democracia e que medidas o Congresso deve tomar para defender nossas eleições, proteger os dados do consumidor e incentivar a competição no espaço da mídia social", disse ela.

É a primeira viagem de Zuckerberg em Washington desde abril de 2018, quando ele respondeu perguntas durante 10 horas em dois dias de cerca de 100 parlamentares norte-americanos sobre questões de privacidade, segurança eleitoral e possível regulamentação.

Uma pessoa informada sobre o assunto disse que ele também deve realizar reuniões com o governo Trump. Um porta-voz da Casa Branca se recusou a comentar.

O Facebook, que concordou com um acordo recorde de 5 bilhões de dólares com a Federal Trade Commission (FTC) sobre práticas de privacidade em julho, também enfrenta investigações antitruste da FTC e de um grupo de procuradores-gerais do estado.

A investigação de privacidade da FTC foi desencadeada no ano passado por alegações de que o Facebook violou um decreto de consentimento de 2012 por compartilhar inapropriadamente informações pertencentes a 87 milhões de usuários com a agora extinta consultoria política britânica Cambridge Analytica. Os clientes da consultoria incluíram a campanha eleitoral de Trump em 2016.