Tecnologia e Ciência EUA investigam suposto roubo de sigilos comerciais pela Huawei

EUA investigam suposto roubo de sigilos comerciais pela Huawei

Gigante de tecnologia garante não ser uma ameaça à segurança do governo norte-americano e que opera independentemente da China

EUA buscam apresentar acusações contra Huawei por roubo de sigilos comerciais

Huawei foi alvo de constante análise por parte do governo dos EUA

Huawei foi alvo de constante análise por parte do governo dos EUA

EFE

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos investiga e busca apresentar acusações contra a gigante da tecnologia chinesa Huawei por um suposto roubo de segredos comerciais de americanos, afirmou nesta quarta-feira (16) o jornal nova-iorquino "Wall Street Journal".

Leia também: Huawei demite funcionário preso por acusação de espionagem

A publicação, que cita como fonte "pessoas conhecedoras do assunto", diz que um dos sistemas afetados por este roubo seria o utilizado pela empresa de telecomunicações T-Mobile para testar os seus smartphones.

A investigação da Procuradoria dos EUA é resultado, em parte, de uma série de denúncias contra a Huawei, incluindo uma na qual um júri de Seattle declarou a empresa chinesa culpada por apropriação indevida de tecnologia robótica de um dos centros da T-Mobile.

As investigações estão em uma fase avançada e podem acarretar a apresentação de uma acusação formal em breve, afirma o "Wall Street Journal". Tanto o Departamento de Justiça como a Huawei se negaram a reagir à informação do jornal financeiro.

A empresa chinesa, que é a fabricante maior do mundo de equipamentos de telecomunicações e a segunda de smartphones, enfrenta tentativas do governo americano de incluí-la energicamente nas acusações de roubo de propriedade intelectual por parte de empresas da China.

Huawei foi alvo de constante análise por parte do governo dos EUA, que na prática proibiu a companhia de instalar seus equipamentos de telecomunicação em grandes redes americanas por temer que pudessem ser utilizados para espionar americanos.

A gigante da tecnologia garante não ser uma ameaça à segurança nos EUA e que opera independentemente do governo da China.

A investigação ocorre após o Canadá ter detido em dezembro a diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, a pedido das autoridades americanas, que a acusam de fraude para violar as sanções comerciais impostas pelos EUA ao Irã.

O desafio dos 10 anos ganha versões que vão além da estética