Facebook
Tecnologia e Ciência Facebook envia 229 páginas de respostas ao Congresso dos EUA

Facebook envia 229 páginas de respostas ao Congresso dos EUA

Congressistas enviaram mais de 2 mil perguntas para Mark Zuckerberg esclarecer como é feita a coleta e o uso dos dados dos perfis dos usuários

Crise no Facebook

Mark Zuckerberg envia esclarecimentos por escrito ao Congresso dos EUA

Mark Zuckerberg envia esclarecimentos por escrito ao Congresso dos EUA

Reuters/Aaron P. Bernstein/File Photo

O dono do Facebook, Mark Zuckerberg, esteve no Congresso dos Estados Unidos em 10 de abril para prestar esclarecimentos sobre o vazamento de dados de 87 milhões de perfis pela consultoria britânica Cambridge Analytica. Agora, a rede social enviou aos congressistas um documento com 229 páginas com as respostas para as mais de 2 mil perguntas que recebeu sobre a coleta e o uso de dados.

O Facebook deu os mesmos esclarecimentos que prestou ao Congresso norte-americano e ao Parlamento Europeu. A rede social explicou como obtém informações dos perfis, como é utilizado esse banco de dados e qual os planos para garantir a privacidade dos usuários.

Eleições nos EUA

Questionado sobre um possível tratamento especial a um determinado candidato à presidência em 2012 e em 2016, o Facebook negou ter dado vantagem à alguma campanha.

"Barack Obama e de Mitt Romney tiveram acesso às mesmas ferramentas e nenhuma campanha recebeu qualquer tratamento especial do Facebook. Nós também oferecemos o mesmo suporte para as campanhas de Donald Trump e de Hillary Clinton", afirmou a empresa.

Fake news

A preocupação com a propagação de fake news (notícias falsas) na rede social também foi alvo de questionamentos. Segundo o Facebook, foram feitas parcerias com empresas que realizam a checagem das informações que circulam na rede. Nos EUA, são cinco parcerias que atuam nessa função: Associated Press, Factcheck.org, PolitiFact, Snopes e the Weekly Standard Fact Check.

"Nós queremos que o Facebook seja um lugar onde as pessoas podem descobrir notícias informações e pontos de vista. Nós trabalhamos para construir produto que ajudem nessa tarefa", escreveu a rede social.

Dados coletados

Outra pergunta abordou a maneira como são obtidas informações de quem não tem um perfil na plataforma.

"Quando pessoas visitam aplicativos e site que utilizam nossa tecnologia, como o botão curtir, o botão compartilhar ou a caixa de comentários, o navegador obtém a informação de qual dispositivo e de quem fez o acesso. Qualquer outra informação é a empresa que decide compartilhar com o Facebook, como a aquisição de um produto", explicou.

A rede social afirma que esse é um procedimento padrão na internet e que dados de navegação costumam ser compartilhados com outras empresas

Históricos do celular

O uso sem consentimento do histórico de chamadas e de mensagens dos usuários também foi indagado. A empresa nega ter esse tipo de acesso.

"O Facebook não usa o histórico de envio de SMS para segmentar anúncios com base em interesses. Em vez disso, os registros de ligações e de mensagens de texto fazem parte de um recurso opcional no Messenger e no Facebook Lite para oferecer uma experiência melhor aos usuários. Porém, esse recurso não coleta o conteúdo das chamadas ou das mensagens de texto", diz a rede social.