Facebook
Tecnologia e Ciência Facebook mira grupos armados de Mianmar em nova proibição 

Facebook mira grupos armados de Mianmar em nova proibição 

Rede social informou que baniu centenas de contas e páginas para combater conteúdo violento e discurso de ódio na plataforma

Facebook mira grupos armados 'perigosos' em proibições recentes em Mianmar

Baniu quatro grupos insurgentes acusados de lutar contra as forças armadas

Baniu quatro grupos insurgentes acusados de lutar contra as forças armadas

REUTERS/Dado Ruvic/Illustration/File Photo

O Facebook baniu da rede social quatro grupos insurgentes acusados de lutar contra as forças armadas de Mianmar, informou a empresa nesta terça-feira (05), dizendo que quer prevenir o mal fora do ambiente online, removendo grupos classificados como "organizações perigosas".

Leia também: Facebook é a empresa que mais rápido revisa conteúdos de ódio

A gigante rede social norte-americana informou que baniu centenas de contas, páginas e grupos por ligações com as forças armadas de Mianmar, ou por falsas declarações, desde agosto do ano passado.

A ação veio após o Facebook ser alvo de críticas por não fazer o suficiente para impedir a disseminação de conteúdo violento e discurso de ódio da plataforma, que viu sua popularidade crescer muito em Mianmar no momento em que os conflitos no país aumentaram.

"Em um esforço para prevenir e interromper o dano offline, não permitimos que organizações ou indivíduos que defendem uma missão violenta, ou se envolvam em violência, tenham presença no Facebook", disse a empresa.

As proibições tiveram como alvo apenas alguns dos grupos insurgentes de minorias étnicas em Mianmar que lutam por autonomia nos conflitos que se instalaram desde a independência de Mianmar da Grã-Bretanha em 1948.

Os quatro grupos nomeados pelo Facebook não assinaram um acordo de cessar-fogo liderado pelo governo e nos últimos anos vem entrando em confronto frequente com as forças armadas.

Facebook: Relembre a trajetória dos 15 anos da rede social