Tecnologia e Ciência Facebook pagará R$ 77,6 mi em ação nos EUA por discriminação

Facebook pagará R$ 77,6 mi em ação nos EUA por discriminação

Autoridades afirmam que empresa deu preferência à seleção de funcionários estrangeiros em detrimento de norte-americanos

AFP
Facebook tem sido alvo de críticas de políticos norte-americanos

Facebook tem sido alvo de críticas de políticos norte-americanos

Luong Thai Linh

O Facebook concordou em pagar até 14 milhões de dólares (R$ 77,6 milhões) para resolver um processo do governo dos Estados Unidos, que acusa o gigante tecnológico de favorecer os imigrantes em detrimento dos cidadãos americanos no recrutamento para milhares de postos de trabalhos com altos salários, anunciaram as autoridades nesta terça-feira (19).  

Os procuradores americanos alegam que o Facebook "canalizou" postos de trabalho para detentores de vistos ao evitar anunciá-los na página de recrutamento virtual da empresa e a aceitar apenas solicitações enviadas fisicamente por correio, ou se negando diretamente a considerar trabalhadores americanos.

A ação, apresentada em dezembro de 2020, representa uma nova frente na crescente pressão judicial, regulatória e antimonopólio sobre o gigante das redes sociais, que chega a bilhões de pessoas em todo o mundo. 

"O Facebook não está acima da lei e deve cumprir com as [proteções] de direitos civis federais de nossa nação", assinalou a procuradora-geral adjunta Kristen Clarke em um comunicado.

A companhia, por sua vez, escreveu em outra nota que acreditava "firmemente" que estava cumprindo com os requisitos do governo federal, mas concordou em encerrar o litígio e "seguir em frente". 

"Essas resoluções nos permitirão continuar focados em contratar os melhores colaboradores, tanto dos Estados Unidos como de todo o mundo", afirmou uma porta-voz.

Segundo o acordo do Departamento de Justiça, o Facebook pagará 4,75 milhões de dólares (R$ 26,3 milhões) aos Estados Unidos e até 9,5 milhões de dólares (R$ 52.6 milhões) às pessoas elegíveis afetadas pela suposta discriminação da companhia. 

A rede social também deve capacitar seus funcionários sobre as medidas contra a discriminação na lei de imigração dos Estados Unidos e fazer mais para recrutar trabalhadores americanos. 

A demanda apontou mais de 2.600 postos, com salário médio de 156 mil dólares (R$ 870 mil) anuais, oferecidos de janeiro de 2018 até setembro de 2019. 

Os procuradores alegaram que a gigante da internet reservou vagas para candidatos com vistos H1-B de "trabalhador qualificado" ou outros vistos de trabalho temporários.

As permissões para trabalhadores qualificados são valiosas para as empresas de tecnologia do Vale do Silício, que buscam engenheiros e outros talentos altamente capacitados, principalmente nos países da Ásia. 

O acordo chega em meio à tempestade de críticas que o Facebook enfrenta por conta da denunciante que vazou estudos internos, que mostravam que a companhia sabia que suas plataformas poderiam ser prejudiciais à saúde mental dos jovens

As autoridades americanas têm lutado para regulamentar as plataformas de redes sociais como o Facebook, em meio à proliferação de acusações sobre como os gigantes tecnológicos invadem a privacidade de seus usuários e proporcionam um espaço para a propagação de informações falsas e perigosas.

Últimas