Novo Coronavírus

Tecnologia e Ciência Gatos e furões podem se infectar com coronavírus, aponta estudo

Gatos e furões podem se infectar com coronavírus, aponta estudo

Preocupação com felinos domésticos deve ser levada em consideração na luta contra a covid-19, embora eles não consigam transmitir o vírus para humanos

Gatos doentes transmitiram vírus para outros felinos não infectados

Gatos doentes transmitiram vírus para outros felinos não infectados

Reprodução/Instagram

Pesquisadores chineses publicaram nesta quarta-feira (8) um estudo sobre a disseminação da covid-19 em animais domésticos. O trabalho, elaborado pelo Instituto de Pesquisa Veterinária de Harbin, da China, teve como objetivo descobrir qual espécie poderia servir de cobaia para tratamentos em humanos e como os pets podem ser afetados pela pandemia do novo coronavírus.

Leia também: 'Não há provas de transmissão de covid-19 por pets', diz veterinária

Conduzindo testes com pares de animais, foi descoberto que os gatos são os animais domésticos mais afetados pelo vírus causador da covid-19.

Os felinos, além de terem todo o sistema respiratório e até mesmo o intestino infectados, são capazes de transmitir o coronavírus pelo ar para outros indivíduos da mesma espécie.

Os efeitos são ainda mais severos entre os filhotes de gato, com menos de 100 dias de vida, nos quais, além do vírus se reproduzir com maior facilidade, foram detectadas lesões na mucosa nasal e nos pulmões.

Veja mais: Golpes prometendo ovos de Páscoa atingem mais de 560 mil brasileiros

Já os furões, que costumam servir de cobaias para tratamentos no sistema respiratório humano pela semelhança encontrada entre os dois, não chegaram a desenvolver sintomas graves da doença, mas se tornam, novamente, o melhor animal para que os estudos sejam conduzidos.

O vírus não chegou a atingir os órgãos respiratórios inferiores dos pequenos mamíferos, afetando, no máximo, o trato nasal, o palato mole da boca, as amígdalas e a traqueia dos animais testados.

Porém, a carga viral encontrada nestes órgãos indicou uma proliferação semelhante à encontrada entre humanos infectados, o que sugere que tratamentos possam ser testados com eficácia.

Leia também: WhatsApp divulga orientações do que fazer ao ter uma conta clonada

A pesquisa mostrou também que os cachorros têm uma suscetibilidade muito baixa ao vírus. Dos sete animais utilizados no estudo, apenas dois chegaram a produzir anticorpos contra o coronavírus. Os animais de controle, que não foram infectados propositadamente, se mantiveram assim, contradizendo a hipótese de transmissão entre os próprios cães.

Veja mais: Tesla revela protótipo de respirador para pacientes com coronavírus

Os cientistas também fizeram testes em porcos, frangos e patos, mas todos os animais destas espécies obtiveram resultados negativos para a covid-19, demonstrando, assim, serem imunes ao novo coronavírus.

Os pesquisadores recomendam que, no combate contra a doença, os gatos domésticos também sejam observados, já que felinos da região de Wuhan já apresentaram resultados positivos para a produção de anticorpos contra o coronavírus.

Críticas

O estudo chinês despertou uma série de críticas da comunidade veterinária. “Existe uma grande diferença entre encontrar o agente infeccioso e o animal ser capaz de desenvolver e transmitir qualquer doença. Os estudos até o momento não indicam que haja transmissão de cães e gatos para seres humanos", explica o médico-veterinário Fernando Zacchi, do CFMV (Conselho Federal de Medicina Veterinária).

Um dos pontos destacados é que a divulgação de estudos como esse pode levar ao abandono de animais de estimção. "Pode ocorrer uma outra grande catástrofe, que seria o abandono injustificado de animais domésticos pela população em pânico", diz Cristiano Nicomedes, presidente da Abfel (Associação Brasileira de Clínicos de Felinos).

Leia mais: Aumenta o abandono de animais durante a epidemia do coronavírus 

Apesar de os pets não serem capazes de transmitir o novo coronavírus, é aconselhável tomar alguns cuidados de higiene para que pelos e patas não levem o vírus para dentro de casa.

"O dono deve evitar que o animal tenha contato outras pessoas na rua. Alguém que espirrou na mão, por exemplo, pode deixar o vírus no pelo ao fazer um carinho. As patas também precisam ser protegidas com sapatinhos ou limpas com água e sabão após voltar da rua", orienta a médica veterinária Lisandra Dornelles, presidente do CRMV-RS (Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul).

Últimas